21 de dezembro de 2018

Tesouros

Tela: Seashells (second half of 19th century),
Albert Joseph Moore

Um coração, não se rasga
para pôr tudo ao relento.
O sumo não fica às claras:
tem que vir à tona lento.

De uma ostra ignorada,
o mar não ouve um lamento.
Um consolo ela guarda:
não viram o que tinha dentro.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).