20 de dezembro de 2018

Sensações

Tela: La Charmeuse de serpents (The Snake Charmer)
- 1907 - Henri Rousseau

Sabem os seres do mato
que de noite (e não cedo)
há um menu variado
que enriquece seu meio:

algo anda de rastros
e se estalam uns gravetos;
outro roça num braço
e se encrespam uns pelos;
advertem, os faros
de qualquer movimento.

É por isto que os galhos
põem-se altos e tesos:
aos Céus, têm implorado
que o breu dure mais tempo!


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).