9 de dezembro de 2018

O Espectador

Tela: Skrik (The Scream) - 1895 - Edvard Munch

Na calada da noite há um brado
tão agudo, que começa a subir.
Ganhando asas e halo dourado,
pra que os Céus possam acudir.

Mas sabe um músico aplicado
que notas altas, pra percutir,
exigem ouvido tão apurado
que apenas o cão, vão atingir.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).