31 de julho de 2018

Esperança

Tela: Hope in a Prison of Despair (1887), Evelyn De Morgan

Sem horário, meta e nenhuma fila,
reparte-se a oferta entre os convivas:
não obstante etérea, é tão nutritiva,
que se alguém, da dieta, a retira
vão-se espinha ereta e cabeça erguida.


27 de julho de 2018

Desvelo

Imagem: Asahi Bridge in Ojiya (1921), Hasui Kawase

Para P. L.

Tudo se ata por um fio -
sobretudo, se vai distante.
O rio corre com jeitinho
e a lua fica a seu alcance.


Afeiçoada

Tela: Salida de la luna (1906), Guillermo Gómez Gil

Para P. L.

De manhã dá no pé,
que não tem outro jeito.
Sem ligar pra maré,
ficaria em seu meio!


25 de julho de 2018

Pérolas

Tela: Das Markusbecken und Santa Maria della Salute (1855), Friedrich Nerly

Dá-se a ele, sem reserva, a noite toda
quem de manhã lhe escapa de novo.
E o mar lastima não ter, qual a ostra,
braços firmes pra cativar seu tesouro.


24 de julho de 2018

Evidências

Tela: Strandszene im Nebel (Beach scene in the fog) -
Friedrich Preller the Younger (1838-1901)

Para P. L.

O que se desdobra em velar tudo
lembra o sol durante um nevoeiro:
mesmo encoberto, revela o vulto
e o dia segue dia - do mesmo jeito.


19 de julho de 2018

A artista

Tela: Fishing in Ghent, the evening (between 1860 and 1883),
Egide François Leemans

Quando se tem um leito seguro
(embora oscilante) sob o trapézio,
rodopios no alto não são apuro -
ainda que a lua leve isso a sério.


15 de julho de 2018

RSVP

Tela: Two Owls at Sunset (1859-60), Martin Johnson Heade

Há que se acatar certas recusas:
nem refinamento muda a conjuntura -
mesmo solenes, são inoportunas
as alvoradas todas, pra uma coruja.


13 de julho de 2018

Spleen

Tela: La nuit (circa 1895), Thomas Alexander Harrison

Para P. L.

Se o sol mostra tanta grandeza
ao disfarçar a monotonia
em seu percurso sem riscos;

que criatura (qualquer que seja)
não intui que quem se desvia
também engrandece o caminho?


12 de julho de 2018

Inteligível

Tela: Tranquility at Sunset (1879), John Joseph Enneking

Às vezes o fim é percebido a custo
embora ecoe toda porta batida.
O dia, porém, se vale do crepúsculo
pra se fazer entender na partida -
e, às vistas, esse tom meio obscuro
soa claro que é hora da desdita.


11 de julho de 2018

Posturas

Tela: Soleil couchant sur la seine à Lavacourt, effet d'hiver (1880), Claude Monet

Pena ver o rio brilhar de euforia,
investir em tamanha simpatia
se o horizonte indolente, todavia,
é que ganha a luz no fim do dia.


10 de julho de 2018

Terra

Tela: Autumn Landscape by William Louis Sonntag, Sr. (1822-1900)

Como mulher, ao perdão, é inclinada
e de novo recebe em outra alvorada
aquele que pela noite e a madrugada
a deixou na mão, sem dar as caras.


9 de julho de 2018

Medidas

Tela: Aftenlandskab (Evening landscape) - 1901 - Julius Paulsen

Para P. L.

Pra quem o todo é tudo quanto baste
a postura do rio soa um disparate:
aceita da lua menos que uma parte;
um afago por cima, pra ele, já vale.


6 de julho de 2018

Anoitecer

Tela: Nocturne (circa 1870-77), James Abbott McNeill Whistler

Para H.

A falta do que parte
é algo a que se habitua:
basta ver a agilidade
com que a vista se enluta.


5 de julho de 2018

Liberdade

Imagem: Tsuki no Matsushima (Matsushima in the Moonlight)
- 1919 - Hasui Kawase

Desnorteado, ele às vezes transborda
pois ainda que a embale e suporte
sempre que se achega a aurora
desapegada, a lua escapole.


4 de julho de 2018

Balzaquiana

Tela: Mondaufgang (circa 1900), Hans am Ende

Para P. L.

Porque acende em toda fase,
como parte da rotina;
já não mostra rubor na face -
coisa própria de menina.


3 de julho de 2018

Clímax

Imagem: Setting sun - 1921 - Hasui Kawase

Para P. L.

A luz tem o céu após a jornada -
ao cruzar o meridiano.
Pra ela, ponto alto (a sua paga)
são os braços do oceano.


2 de julho de 2018

Vulnerável

Tela: Stitching the Standard (1911), Edmund Leighton

Bem pouco o que se usa
e em breve se arremata
o sobretudo da ilusão.

Tão frágil, a urdidura
que, dos fatos, uma farpa
deixa o manequim na mão.


1 de julho de 2018

Afeto

Tela: Przy studni (1882), Witold Pruszkowski

Para P. L.

Mantém na penumbra à toa
o que nasce com lume,
pois já mostra o intento.

A casca espessa da ostra
não impede o vislumbre
da pérola ali dentro.