29 de janeiro de 2018

O silêncio

Tela: Lyndra by the Blue Pool, Dorset (1913), Derwent Lees

Dedo a cutucar costelas, pescoço e nuca.
Mãos que cortam o ar -
estripador sem assinatura.
O perigo está em todo lugar:
sala, cozinha e quarto,
onde chega a violar
(de luz apagada, tortura).
Qualquer coisa para contê-lo:
dose, bagulho, encontro às escuras.
A calma não faz companhia
pra quem se enche de falta:
é presença obtusa.
Ao redor, tudo cala:
motor, rojão, abelha miúda.
Só uma coisa toca
sem intervalo, regente nem partitura.
Com notas inaudíveis, porém agudas.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário