6 de janeiro de 2018

Vampe

Tela: Night, Auguste Raynaud (1845-1937)

Seu galanteio, senhora, é indecoroso:
se despe do manto e envolve a todos.
Oferta brilhantes, um broche de ouro,
inda faz juras de eternidade no posto.
Mas, amanhece e se veste de novo;
sai a toda, pra não ser pega por pouco -
como se o sol não manjasse o engodo.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).