16 de novembro de 2017

Desamor

Tela: Cephalus and Aurora, Nicolas Poussin (1594-1665)

Foi posto ali à sua revelia:
de um lado a outro ia
sem se ajeitar. Grunhia.
E no grunhido a crítica
aos compartimentos, à vista:
numa câmara, não se estendia
nem uma hora seguida;
os átrios (áreas compridas)
nunca o satisfaziam.
Natural ter acenado, um dia,
na sua despedida:
não deixa vazio quem contabiliza
os minutos pra partida.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário