30 de outubro de 2017

Fleumática

Tela: Statue in the Park of Versailles, Giovanni Boldini (1842-1931)

Se flores dispersas pelo outono
perecem à sua frente, pelo chão
ou se alguns pombos revoltos
lhe pousam na palma das mãos,
a estátua solene dá de ombros:
está no sangue não ter comoção.

Se ganhasse vida num sopro,
tão visceral é sua disposição,
que pra não ver alguém disposto
a demovê-la dessa condição
um musgo discreto no rosto
seria, pra ela, perfeita alegação.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário