11 de abril de 2017

Carma

Tela: The Soul of the Rose (1903 or 1908), John William Waterhouse

Não tem sossego o que é belo
e a rosa sabe bem disso:
sob a luz, sobram assédios
e ainda atura zumbidos.
Mais tarde, nada desperto,
com alívio dá um suspiro!
Esquece o sereno, decerto,
que à noite a enche de mimos.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.