27 de julho de 2016

Mar ao luar

Tela: Skips i måneskinn, Martin Aagaard (1863-1913)

Ela retorna: nesse instante
ele se debulha, quase transborda -
não se contém.
De novo radiante, mas retraída.
De novo distante, um tanto fria.
Ele, feito pombo de praça
- entre passantes -
se ajeita com migalhas
(falsos brilhantes)
e passa outra noite inebriante:
alto, espalhando vertigem.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.