21 de fevereiro de 2016

Rastos

Tela: Der Fuß des Künstlers (1876), Adolph Menzel

Meus pés envelheceram antes de mim.
Pobres pés:
pouco aproveitaram da vida.
Eu fui mais longe,
cheguei aonde jamais pisarão.
Estalei folhas marrons em alamedas distantes,
esmaguei raízes de juncos,
senti sob córregos as pedras que a água aplanou.
E as mucosas de um amor
que quis devorar minhas plantas.
Depois, andei sobre as pontas:
assim, quem se entorpecia
não despertaria para minha falta.
Pés, pezinhos negligenciados!
Se houvesse justiça, calçariam 18.
Mas o tempo, indiferente,
também passa por quem não passou.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.