26 de dezembro de 2016

O equívoco

Foto de Hans Hillewaert

Passarinho e elefante ao pressentir calamidade
- dilúvio, chuva de fogo, 10 pragas -
disparam em debandada pra léguas além.
A Mulher, não: vira estátua de sal, se enche de chagas...
Crente que um milagre, do nada, intervém.


24 de dezembro de 2016

À francesa

Tela: An old woman standing by a window (1885), Vilhelm Hammershøi

Para 'Aliocha'

As saídas mais retumbantes são sorrateiras.
Mesmo sem interromper a prosa
pro último beijo
nem fazer deixar na mesa a posta
pr'um abraço ligeiro
nem tropicar nas tábuas tortas
em que ninguém deu jeito,
algumas soam como batida de porta
que atordoa pela vida inteira.


O Tempero

Foto de Mathias Krumbholz

Os grãos que alguém virou
do celestial saleiro
e que salpicam o forro da noite
de janeiro a janeiro
- mesmo de longe -
dão gosto ao mundo inteiro.


Astúcia

Foto: Natural-colour image of the Canyon Lands of Utah area,
with Rainbow Bridge and Navajo Mountain (lower right) -
Autores: Jesse Allen and Robert Simmon - Fonte: NASA Earth Observatory

O amor sabe que é possível evitar
uma cheia no coração pleno.
E se transmuta pra achar seu lugar
como filete por todo o terreno.


23 de dezembro de 2016

O discurso

Tela: Sehnsucht (Träumerei) - circa 1900 - Heinrich Vogeler

Que oratória aguda e precisa!
Usa e abusa da coerência,
à qual nenhuma pessoa resiste.

Sem sofrer nunca interferência
nem da audiência distraída,
a eloquência da Saudade, quem exibe?


18 de dezembro de 2016

Ocaso

Foto: Cuatro Torres Business Area desde Paracuellos, Madrid, España, 2016 -
Autor: Benjamín Núñez González

A luz não é sucinta ao se despedir.
Qual uma tia cheia de histórias,
ela fica na soleira da porta, ao partir.

E toca lânguida e insistentemente
na face dos vidros, dos muros,
dos galhos, dos cumes,
marcando tudo com um beijo amarelo,
que o breu é destro em cobrir -

pro sossego das corujas, das estrelas
e das amantes ciumentas
que não desconfiam
de quem se demorou por aqui.


14 de dezembro de 2016

Água

Tela: Liebesakt (Lovemaking) - 1915 - Egon Schiele

De suas atribuições, a mais delicada:
numa reta com torvelinhos
favorecer, entre 2 pontos, o enlace
tornando fluida a jornada.


10 de dezembro de 2016

Diálogos

Tela: Sunbathers (between 1920 and 1940), John Lavery

O sol nunca fala sozinho.
Quem tem a mesma ventura?
A pele responde com rubor
a seda, com secura
a sarça se inflama
a poça vai às alturas.

Cá embaixo (é o instinto)
uma a uma as criaturas
compõem seus pergaminhos.
Recebendo, quase nunca,
sequer satisfação -
ainda que enxuta.


9 de dezembro de 2016

O Não

Foto: Instalação artística da japonesa Yoko Ono na Indica Gallery (Londres) em 1966.
No alto, a lupa permite enxergar a palavra YES: "SIM" em inglês. Fonte: www.artbouillon.com

Um a menos, um a mais -
que diferença faz?
Quando outro chega, se aninha -
acha logo seu lugar.
O que inquieta, aporrinha
é se seu oposto ao aportar
faz estrondo, se sublinha
ou acanhado perde o ímpeto...
Até sumir. Se sublimar.


7 de dezembro de 2016

Oferendas

Foto de Gideon Pisanty (Gidip)

Sobre os seres, bênçãos e tormentas.
Contra o que vexa, alguns blasfemam.
O jardim abre as mãos: tudo é prenda.
Vertam do sereno ou de uma vespa,
ao botão, são afagos. E contentam.


6 de dezembro de 2016

De passagem

Tela: The Channel at Gravelines, Evening (1890),
Georges-Pierre Seurat

Para Alexandre e Júlio

Difícil é velar o sopro extinto
sem torcer pela ressurreição (como Marta).
Mas quem aporta com ares de partida
nunca estica, da embarcação, a arribada.


3 de dezembro de 2016

Fogo de Santelmo

Imagem: Phénomènes célestes (ovnis (?) en forme de disque, sphère, cigare et boomerang)
au-dessus de Nuremberg (date de publication: 14 Avril 1561)
- Autor: Hanns Glaser

Para Flávio Augusto

Procuro o amor como um Objeto Não Identificado.
Flanando com halo, mas sem divindade
na ponta do mastro, rente ao avião
ávido por pouso, camaradagem
assombro humano e abdução.
Embora às vezes possa garantir: "Eu vi!",
aos céticos, que nunca avistam, é só bobagem.


30 de novembro de 2016

Recusas

Imagem: People seeking shelter from the rain -
No.39 Suhara, from The Sixty-nine Stations of the Kiso-kaidō
(between circa 1835 and circa 1837), Utagawa Hiroshige

Inútil desbastar sua figura:
a ele, não apetece.
Tantos se esquivam da chuva
ainda que venha de leve.


29 de novembro de 2016

Regra de arquitetura

Foto: Sol nascendo na direção do Parque nacional Itatiaia,
visto a partir da base da Pedra da Mina, Serra da Mantiqueira
(Minas Gerais, BRASIL) - Autor: Tomasfurtado90

Se é a serra que no céu se pendura
ou se o céu é que na serra se funda -
não sei.
Precisão é o segredo dos arranjos que duram.


27 de novembro de 2016

Um pra lá, um pra cá

Tela: Maskentanz (Mask Dance) - 1928-29 - Ernst Ludwig Kirchner

Me convidei (sem querer)
pr'uma dança sem cheek to cheek:
ninguém se pisou no pé;
ninguém teve vertigem.

Quando acabou, nem pude rezar
a prece mais consoladora que existe:
"Graças a Deus, podia ser pior".
(Céus, que pareja triste!)


23 de novembro de 2016

A jazida

Tela: Plum before moon (before 1945), Ohara Koson

Deitada sob a árvore. Uma flor se precipita.
Fim raso de alma altiva:
em vez do vaso, se enterrar na minha vista.


Magnânima

Tela: Turbulent Clouds, White Mountains, New Hampshire
(circa 1858), Albert Bierstadt

Tormenta é rival impressionante.
Toma as curvas da vista por instantes
mas restitui melhor que antes:
tudo mais distinto. E insinuante.


20 de novembro de 2016

Um enigma

Foto: The land of geysers: Yellowstone Natonal Park - 1909 -
Autores: Northern Pacific Railway Company. Yellowstone Division

"Não te amo" - do leito, ele mostra isso,
com sua placidez e alheamento de rio.
Mas então por que treme (ô, desvario!)
sempre que a lua dá de cara consigo?


14 de novembro de 2016

Escrúpulos

Tela: The flirtation (circa 1910), Leo Gestel

A claridade retrai os amantes -
na luz, todo meneio é acurado.
Mas nem quando o breu se desfralda
e encobre suspeitas e riscos
ele é presto em perder o tato.


Extensões

Imagem: Geisha Drinking from Sake Kettle at 2:00 a.m.
(1880), Tsukioka Yoshitoshi

Se encurtar o comprimento
só fez por excedê-lo,
siga o fluxo:
encha o copo, extrapole as medidas -
abrevie o seu zelo.


8 de novembro de 2016

Hércules

Tela: Herkules schultert die den Himmel tragenden Säulen
(hinten: Herkules und der erymanthische Eber)
 2. Hälfte 16. Jh. - Autor: Anonymous

Carrega um mastro, o meu amor
com imponência pela quadra
e quem o vê se assombra.

Maior é meu fardo, mas o labor
é uma récita privada -
a ele, não impressiona.


6 de novembro de 2016

O encanto

Tela: The Love Potion (1903), Evelyn De Morgan

Não é preciso dar o bote
se sem luta se rendeu
mas, pra garantir a posse,
mesuras com o que se perdeu.


4 de novembro de 2016

Obediência

Tela: Half-nude in the window, Antoine Wiertz (1806-1865)

Atender a suas demandas
é uma delícia que eu encaro.
Corpo ou alma? Não faço drama:
quem usa esporas está claro.


31 de outubro de 2016

Sobrancelhas

Tela: Dame mit Muff (1916), Gustav Klimt

Não se espante se não se arqueiam:
só tomam susto com o que é alheio.
Em carne e osso ou aparição?
De distinguir, não se acha jeito:
de vê-lo em tudo, um olhar tá cheio.


29 de outubro de 2016

Revelação

Tela: Samson et Dalila (circa 1615), Gerard van Honthorst

A luz é o disfarce perfeito
pro anseio dos corações.
Pende a sombra sobre tudo
e eis um foco de respeito
nas segundas intenções.


28 de outubro de 2016

Segredo de polichinelo

Tela: Abschied (circa 1898), Heinrich Vogeler

O que havia por trás de tudo?
Do relógio, do espelho, do armário
da fila do fundo, do último da classe?
Longe se vai o tempo
em que a retaguarda era mistério:
para o que você dá as costas
(infelizmente) sei ao certo.


25 de outubro de 2016

Esmero

Imagem: Reine de Joie (1892), Henri de Toulouse-Lautrec

Para el

Essa rajada minuciosa,
que não salta nada:
afaga até o chão;
lembra a amante ciosa
que da superfície amada
assopra restinhos de pão.


24 de outubro de 2016

Do desejo

Foto de Tiago J. G. Fernandes from Portimão, Portugal

Do casulo, se aparta
e borda toda a paisagem.
Mas tão logo esvoaça
se evola qual a miragem.


22 de outubro de 2016

Resignação

Foto de Ryan Hodnett

Poucos resistem nas alturas:
quase tudo é fadado ao chão.
Essa sina, a folha não refuga -
seu salto gracioso é inspiração.


5 de outubro de 2016

O repúdio

Foto de sébastien bertru

Sua rama seca já não sustenta
do passarinho, euforia e agitação.
Segure as pontas: já, já se ausenta
quem lesaria, num tombo, o coração.


29 de setembro de 2016

Pesca Milagrosa

Foto de Devilal

Daqui onde estou, a aranha repudia
o que se prendeu à sua teia:
um Escorpião, dois Cães, Três Marias
um Cruzeiro, (por pouco) um avião e a lua cheia.


27 de setembro de 2016

Sem alarde

Tela: Interior with potted plant on card table, Bredgade 25
(1910-11), Vilhelm Hammershøi

Há amores que vão como chegaram:
na ponta dos pés.
Quando se nota, já se ausentaram
sem batida de porta
nem bilhete no espelho da pia...
(O que foi delicadeza no início
no fim é alheio à cortesia.)


26 de setembro de 2016

Constatação

Foto de Catalin.Fatu at English Wikipedia

Convicção não é inerente ao mortal
nem atributo divino:
de noite, no temporal,
um interruptor liga e desliga - indeciso.


23 de setembro de 2016

Estimativas

Foto de William Warby from London, England

Para W

Pros incautos, não passam de sobras
que se descartam sem pejo.
Pra formiga, o quinhão nas costas
vale o patrimônio inteiro.


22 de setembro de 2016

21 de setembro de 2016

O detalhe

Tela: Blessures d'Amour (1897), William-Adolphe Bouguereau

Para el

Não foi acaso, estrela, flecha:
se não botasse meias dessa forma
- quase no meio das canelas -
eu não pensaria nele agora.


19 de setembro de 2016

A Cabeleira

Tela: When the Heart is Young (1902), John William Godward

Braseiro nos quartos:
solta e bem-comportada
sem mãos pra desalinhá-la
só lhe resta, do vento, o pulso fraco.


17 de setembro de 2016

O batom

Tela: Jeune femme derrière un volet se regardant dans une glace
- 18th century - Kitagawa Utamaro

Pra quê o vermelho?
Sempre que vem, inflama tudo:
fico sem rubor e ele, rubro
(sem ajuda de espelho).


A gema

Foto de Manfred Heyde

Para el

Dá na vista e adulteram o que é seu.
Se notasse que pra mim é preciosa
- ostra ensina: joia não fica à mostra -
só conheceria o meu breu.


13 de setembro de 2016

Fedra

Tela: Phèdre (1880), Alexandre Cabanel

Ao coração, hóspede excêntrica
é a paixão não correspondida:
não aceita que se alojou
mas deixa tanta pertença,
quando se põe de partida!


12 de setembro de 2016

Masoquismo

Tela: Shade and Darkness - the Evening of the Deluge (1843), William Turner

Paisagem explosiva, inquieta:
troca de humor e de veste.
Não importa se agride a vista:
me feri antes de olhar pra ela.


10 de setembro de 2016

Mimada

Foto de Joe Schneid, Louisville, Kentucky

Dela, empinada na haste,
com um quê de frieza,
o beija-flor se achega:
não se faz de rogado.

Vai em frente, porque sabe:
faz doce quando a beija
mas gosta, tudo aceita -
até mimo frívolo do orvalho.


7 de setembro de 2016

Resoluto

Imagem: Illustration from The complete collection of pictures & songs,
"This is the House that Jack Built" (1887),
Randolph Caldecott, engraved and printed by Edmund Evans

Quem fica à espreita
não estuda a presa:
tá cheio de dúvida.

Galo não tem suspeita,
só cala quando ela chega:
pra ele, a manhã é única.


5 de setembro de 2016

Semideus

Foto: A compilation of multiple images showing a take-off of
a Cetonia aurata, a beetle - Autor: Bernie

Otimismo é oferenda
que o mar traz pra areia
a quem tem quê de divindade.

Sem deter forma propensa,
o besouro não vê peia
e dá ippon na gravidade.


1 de setembro de 2016

Percursos

Foto de Omipriyankaverma

Para el

Não alivie o caminho:
mais ele se faz molesto,
mais se ajusta ao peregrino.

Sem guia nem refresco certos,
eis que se achega um brotinho
da fenda escura do concreto.


31 de agosto de 2016

O pretexto

Foto: Moonlight on Lake George -
Autor: Seneca Ray Stoddard (1844-1917)

Hábito não é desculpa
pra amortecer o desejo:
todo dia a mesma lua
se dá ao lago -
e ele não mostra desprezo.


30 de agosto de 2016

O inseto

Foto de Zeynel Cebeci

Quem o vê dia após dia
revolutear com mesuras
lastima: "Em vão, beija e gira!...".

Não desconfiam que a flor
paga a cortesia com doçura,
embora pareça tão fria!


29 de agosto de 2016

O souvenir

Tela: Heimliches Treffen (1838), Jean Baptiste Lecoeur

Que seja lá em casa e furtivo:
distraído, ao bater em retirada,
deixa uma peça em olvido
que eu não devolvo por nada.


Os pássaros

Tela: Common Swifts (1886), Bruno Liljefors

Juventude é pista incerta.
Depressa, vão embora,
os olhos que pousam nela:
muda tanto, que os enxota.


26 de agosto de 2016

O segredo

Foto de ensar BOSTANCI

A rosa não poupa em vigor
pra ser amada até o infinito:
sobre um corpo cheio de dor
impõe o semblante tranquilo.