6 de setembro de 2015

A cigarra e as formigas

Tela: The Guitar Player (1908), Joseph DeCamp

Incansáveis formigas,
camponesas urbanas.
Infatigáveis na colheita
dos grãos de açúcar,
dos farelos de broa,
das migalhas nos panos.
Proletárias que dispensam o ponto:
mal param pra cear,
ignoram o descanso.
Disciplinadas, andam em fila.
Organizadas, laboram em equipe.
Giz chinês, fumaça, pisada:
nada as desvia.
Enchem o dia de caminhadas,
Hércules de seis patas,
com pesadas mercadorias.
Fico assim a estudá-las -
eu, à paixão sindicalizada -
pra ver se me desapego dos cantos,
da cegueira, dessa paralisia...


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário