6 de julho de 2015

Clarividência

Tela: Night (1870), Edward Burne-Jones
Noite em que não se distingue
coisa alguma:
umas joias em cima,
bijouterias embaixo.
Brilhantes que não esclarecem:
firulas.

Quanto mais escura,
maior a desenvoltura:
dispenso o cão e a bengala
pra não topar nos muros
e tomar estradas.
A rua toda, de noite,
é como o quintal de casa.

E de pé no alpendre,
bacia em punho,
separo o joio e o trigo
apenas no tato.
Em hora nenhuma
meu amor por ele é tão claro
como na noite sem lua
em que não vejo nada.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.