19 de junho de 2015

Adoradora

Tela: Lovers (1914-15), Egon Schiele

Cedo ou tarde, o estado é um:
perpétua adoração.
De prontidão, meus olhos velam:
coxas, barba e as suas mãos.

Nenhum pedaço escapava
- assim eu acreditava -
da minha inteira devoção.

Até que um dia, sol a pino
- eu que não fazia isto
nem com santo de procissão -
baixei meu corpo e cobri de beijos
seus pés sem meias no chão.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário