22 de maio de 2015

Papaizinho

Tela: God the Father - 1635-40 - Guercino (Giovanni Francesco Barbieri)

Deus, me dê Sua mão.
Não ligo que esteja tão alta,
que eu tenha que andar pendurada:
sutiã saindo do lugar
cãibra e eu, muito cansada.

Deus, me dê Sua mão.
Senão tomo o caminho errado:
passo na frente dos carros,
beijo homens casados.

Deus, me dê Sua mão.
Me leve pra onde haja sentido:
não gosto de barcos sumidos
nem de balões a hélio,
que ficam da vista perdidos.

Deus, me dê Sua mão.
Não sei o que fazer com as minhas:
afago o gato?
Afasto a galinha?
Me dê Sua paz
pra eu tocar minhas rinhas.
Não quero arrostar o Nada -
longe
d'onde a Trindade reina sozinha.

Vai, Pai:
me dê Sua mão.

Não vou suportar as passadas.
Vai ter hora em que vou ser
arrastada -
joelhos e pés esfolados.
Não é assim com quem vai a Seu lado?

Mas machuca menos que o mundo,
Sua mão etérea e pesada.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário