12 de maio de 2015

Chorona

Tela: Nature morte de fleurs aux lys (1934), François Barraud

Penso nele
e giro em meu eixo -
sou jarro de lírio
em que deram esbarrão.
Tanta água
e a manga é curta:
o pranto não seca sozinho
e perfuma os insetos no chão.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.