9 de abril de 2015

A hospedaria

Tela: Für immer vereint (1903), Carl Schweninger der Jüngere

Meu coração delicado
recebia qualquer um.
Quando a acolhida
se arrastava,
a razão descia do sótão
e indicava a porta da rua.

Você, diferente,
fincou o pé
bateu boca com ela
e em vez de hóspede
(meu prazer e minha dor!)
se fez anfitrião.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário