12 de março de 2015

Lamento

Tela: Ophelia (1851), John Everett Millais

Vovó tinha um canteiro;
minha tia, um roseiral.
Mandaram tudo arrancar:
plantaram ardósia e cerâmica,
que é mais fácil de cuidar.

Ai de mim, ai de mim
sem uma flô aqui pertin!

Era tanta avenca e samambaia,
que não dava de andar;
lá em casa, as violeta
ficavam até nas banqueta,
impedindo de sentar.

Ai de mim, ai de mim
sem uma flô aqui pertin!

Trem difícil nesses dia
é ver flô nas moradia.
Se quiser topar com alguma,
tão esquecida nas floricultura.

Ai de mim, ai de mim
sem uma flô aqui pertin!

Mas flô é cabeça-dura.
Não adianta fugir delas:
apanham a gente no final,
nos embalando pra sepultura.

Ai de mim, ai de mim
não enxergo as flô aqui pertin!


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.