23 de fevereiro de 2015

O quadro

Tela: The Sun (1910-11), Edvard Munch

Esta tarde mesma
em que as montanhas se esboçam
ao fundo
e tons de verde
se escondem
sob linhas azuis;
na qual o sol carrega
na cor das torres à frente
e nuvens
pincelam de cinza o que fica atrás;

Esta
onde um carcará
fugido do sertão
se refestela numa caixa d'água
e bem-te-vis, sabiás, pombos
(assustados)
se camuflam nas copas
ou nos halls das casas;

Esta
tagarela infante
que se desfralda do horizonte
aos corpos,
mas não chega ao coração:
cheia de luz, roncos e arrulhos,
ante o silêncio do meu amor
desbota -
falha em se sobrepor.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.