25 de janeiro de 2015

Virgem

Tela: Flora (1889),
John Roddam Spencer Stanhope

Não sei quando vou revê-lo:
virei muro,
pra poder me reconhecer.

Diverso da flor que seca,
da árvore que desfolha,
do pássaro que depena,
do gato que foge -
o muro se aquieta, inerte.

Assim eu pensava
até me ver brotar musgos,
grafites, descascados.

Sim: as estações, em todos,
deixam suas marcas.

Você vindo ou não,
seguirei intacta.
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.