1 de janeiro de 2015

Sem Resposta

Tela: Aufgehender Stern (1931), Paul Klee

Aqui,
num ponto miúdo
no Google Maps,
forjo uma oração
pra subir ao céu.

Delicada, qual agulha
atravessa as malhas
de ar
e eu torcendo
pra ela não se curvar.

Num ponto inescrutável,
que o Hubble
não captou,
um anjo a vê passar.

É uma estrela
às avessas:
errante,
tomou rota ascendente
sem nunca pousar.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário