28 de janeiro de 2015

O leque

Tela: Der rote Fächer (1892), Eugene de Blaas

Gostei tanto de você,
que virei leque fechado.

Sem expor a minha estampa,
não me arrisco a desagrado.

Vai que é minimalista?
Meu desenho é rebuscado.

Vai que gosta de rendado?
Meu arremate é laminado.

Ligeireza e golpe acústico
no abrir e no fechar?
Ts. Ts.
O meu corpo é delicado.

Reservada em minhas
dobras
no calor de fevereiro,
seu toque rústico
é uma miragem
que só agita a minha sede.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.