31 de janeiro de 2015

Florações

Tela: Algarrobo (1899), Joaquín Sorolla y Bastida

O cajueiro sabe
que a primavera
levará seu fardo.

A quaresmeira
pranteia Cristo
duas vezes no ano.

A sumaúma
termina o calendário
de consciência leve.

Sou como alfarrobeira:
espero por ti
sem "quando".


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário