9 de outubro de 2014

Fixação

Tela: Olivengarten (1889), Vincent van Gogh

Quem me dera
as cabeças
serem feito oliveiras:
bastava balançar
pras ideias saltarem.

Mas são duras
as coitadas:
têm um pobre
gingado.
Da esquerda pra direita,
o que têm a oferecer
é um "Não"
impensado.

Ei-las: árvores invertidas.

O que é fruto
não se solta.
Fica enraizado,
mas sem adubo
estraga.
E leva o organismo
a conhecer
de repente
as plagas do outro lado.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.