8 de outubro de 2014

De sol a sol

Tela: The Jockey (1899), Henri de Toulouse-Lautrec

Um lençol branco
se estende
sobre o panorama:
o novo dia nasceu.

Nas baias
os cavalos despertam.
Trotam, relincham
recebem arreios -
acompanham o tratador.

São lavados,
penteados -
lhes veem os dentes.
Cascos lixados,
recebem a sela -
lhes montam no dorso.

Marcham, galopam.
Sacodem poeira.
Se agradam, afagos.
Se não, esporadas.

Corpos suados,
retornam às baias
limpas -
é o descanso merecido:
o lençol do outro dia
não demora a se esticar.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário