3 de outubro de 2014

A moça alta

Tela: L'AURORE (Reduction) - 1881 -
William-Adolphe Bouguereau

Estar uma oitava
acima
é imprescindível à sobrevivência.
Assim pensa uma amiga.

Tudo de mais concreto
só tem presteza
se fizer levitar.

Rosas na mesa,
tango e baião,
romances estrangeiros,
Bíblias que falam
do Reino dos Céus
e cremes pra amaciar o corpo
(que tudo e ninguém provarão).

Quem a vê, comenta:
"Tão pequena!".
Pura aparência:
só eu sei
que ela anda
a centímetros do chão.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.