22 de setembro de 2014

Tarde branca

Tela: Wanderer above the sea of fog (1817), Caspar David Friedrich

Tarde branca
chapa sem imagem
nem moldura
folha não revelada
que esgazeia a paisagem.

Tarde branca
neblina que revela
ânsias acesas
de fumaças débeis
que jamais queimarão.

Tarde branca
arma sem cabo nem gume
que ao olhar
é inofensiva,
mas corta fundo.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.