11 de julho de 2014

Tríceps

Imagem de Ignacio Iturria

Pegue
minhas mãos
(estiquei meus braços
pra cima)
e me leve
pr'outra realidade.

É uma intimação.

Às vezes,
preciso de ficção.
Menti.
Preciso sempre:
quero ver outra
cor
além do marrom
do sofá.

Ouviu?
Foi uma gargalhada.
E outra.
E mais outra.

Por que nunca
estou lá,
e continuo aqui?

Seu cabelo
liso e preso,
quero soltar.
Use seus dedos,
pra me reter.

Me esprema,
pr'eu virar
outra coisa.
Escorregar
pela sua boca.
Que gosto ela tem?
Que gosto?

Zumpt.
O quê?
(O transe acabou.)

Suspiro.

Ao menos
tenho tríceps
livres,
pra esticá-los
pra cima.
E sair do sofá.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário