19 de julho de 2014

Gravidade parca

Foto de User:Spacebirdy/Myndir

É de se preocupar:
não sustento
minhas costas.
Um buda
gordo
faz de mim
sua cadeira.

Justo hoje:
prometi
andar de olhos
erguidos,
notando
nuvens mimosas,
em vez de cuspidas.

Será que vai ficar
marca?

A moça apertou
meu peito
num raio-X
engraçado.

Fiquei toda
vermelha,
quis mostrar
para o mundo.
Coisa de moça
torta.
(Que eu não sou
de direita.)

Adoro pornografia.
Vejo de noite
escondido,
enquanto meu homem
dorme.

Amanhece,
tô tão cansada.
Virei a mais
casta
das criaturas.

E esse buda
que não desgruda?
Por que um anjo
não escora em mim?

São Jorge
fica tão bonito
de armadura e espada...
Podia me dar
carona:
erguer as costas
na lua
deve ser uma baba.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário