21 de julho de 2014

Digestão

Foto de Anna Langova

Falei
pra minha irmã:
vai comer
caquinho por caquinho
do que ele fez.

Desliguei o telefone,
minha boca
entreabriu:
um caco
caiu no chão
e há outros
por digerir.

Três dias -
e a carne some
do organismo.
E os cacos?
Quando
sairão daqui?

Meu corpo
todo
se mobiliza
pra mastigar
incidentes -
os dias não param
e eu arrosto
o presente.

A alma padece.

Perdoe-me, Deus:
ressinto quem se acama
sem poder engolir,
doente.

Foto de Marina Shemesh


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.