28 de junho de 2014

Pancada

Tela: Portrait of Marguerite van Mons (1876-1919)
- 1886 - Théo Van Rysselberghe

Escrito em São Paulo - 18 de junho

Bateram a porta.
Pra quê?
Pancada alguma
reverte o curso
do leite.
Enfeite caiu.
Lustre tremeu.
Ácaro voou.

Blam.

Som
não abafa partida.
Não devolve chegada.
No estouro da manada,
se foge do vento.
Pega o terço,
cata o milho.
Respira. Espera.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.