9 de junho de 2014

Devoção a Santo Antônio

Tela: Visión de San Antonio de Padua
(1660-62), Alonso Cano

Hoje eu te vi, amado meu!
Te imaginava tão magro,
e vi que não eras.
É tão lindo,
quando o véu cai
e a surpresa de um rosto
é revelada.
Tu tinhas bochechas
e olhos tão pequeninos!
Perfeitos pra não ver
as mazelas do mundo
- imensas -
e pra focar no nosso
coração, pequenino,
aprendiz de amar.
Tonsura, barba por fazer.
Um sorriso singelo
e confiante
de quem conversou
com os peixes,
foi abraçado
por Francisco,
viu a face do Pai.

Antônio.
O teu amor
por Jesus e pelo Cristo
em cada ser
foi tão grande,
que ainda hoje
posso senti-lo.

Nas minhas horas
mais tristes,
aquelas em que
o escuro se supera,
é no teu colo marrom
que sempre me imagino,
com tuas mãos
de dedos compridos
me convencendo:
"Tudo vai melhorar".

Antônio.
Antônio.
Antônio.

Nunca li obra tua,
de ti tenho lendas
e testemunhos
que me descem
o queixo
e me forçam
joelhos no chão.

Não consigo
alcançar
a mensagem e as exigências
do Salvador,
sem antes
implorar teu ouvido.
Não consigo
chegar ao Céu
sem passar por ti.

Tens um rosto.
Posso olhá-lo
e dizer-te:
tu és meu melhor amigo.

Tela: Sant'Antonio da Padova con Gesù Bambino
(Sem Data), Giacomo Farelli


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário