31 de maio de 2014

Velho Judeu

Tela: Sokea Soittoniekka (1922), Alvar Cawen

Toque seu violino,
velho judeu.
Suas melodias estranhas
são do agrado de Deus.

Você tem direito
à música:
tão sua quanto do Sinatra.
Não importa
a corda arrebentada,
nem a vara empenada.
Empurre a barba,
aperte os lábios,
encha de som essa quadra.

Uns fecham a cara,
o menino corre assustado,
outros têm piedade,
a senhora deixa uma prata.

Apenas toque,
pra espantar a fome,
esquecer a pobreza,
fingir que tem nome
e companhia à mesa.

O dia não finda,
a chuva enfraquece,
alguém se comove
e lhe faz esta prece:
em memória dos seus,
continue.
Toque mais, velho judeu.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário