11 de maio de 2014

Quando alegria dura pouco

Tela: Maiss Auras (ca 1900), John Lavery

Fiquei animada:
descobri que gosta
de Pessoa.
Eu também -
embora o ache
maluco.

Pra quê, porém,
ficar contente,
se nossas vias
não bifurcam?
Nada
das ovelhas de Caeiro
nem
de Álvaro de Campos.

Você circula
na Serra;
cá estou no Oeste:
rente à poeira,
aos calangos na terra.

Lá fora,
um barulho
persistente
de vaca ruminando.
Me pergunto
pra quê amar
quem é tão vário
e vai tão alto.

Mais o tempo
passa,
ficamos brancos,
sem memória.
Quem vai repor
os azulejos
que contam
nossa história?

Fecho o Pessoa,
abro as mãos,
deixo a alegria
ir.
Pra quê tesouro,
sem porquê
d'ele existir?

Tela: In Gedanken (por 1905), Félix Armand Heullant


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.