12 de maio de 2014

Inflexível

Tela: Dame mit Hut und Federboa (1909), Gustav Klimt

Meu pescoço coça
na altura da garganta.
Por quê?
Foi palavra
que não disse?
Só pode:
engasguei
uma pergunta -
e ela jaz
na minha carne.

Jaz.
Morto
não cutuca.
Então vive,
mas indigente:
não sei qual ela é.

Meu pescoço coça.
Faço lista.
Que fiz de errado:
falso testemunho,
maledicência,
pouco caso.

Em vez da forca,
a urticária.

Vou coçar
até cansar
a minha mão.

Arranhar (de leve)
o meu pescoço,
que guarda
minha garganta,
que ergue
minha cabeça,
que resiste,
não quer,
mas diz Não.

Tela: Der schwarze Hut (1910), Gustav Klimt


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.