6 de maio de 2014

Horizonte Instagram

Tela: Afternoon - Yellow Room (1910), Frederick Carl Frieseke

Não sabia
que o meio da tarde
doesse tanto.

O horizonte
parece foto azulada
de vitrine ensolarada.

Fica tudo
desbotado.
Som dos motores,
piados
e o andar daquele
moço
lá n'outro lado.

Não seria
nada assim,
se tivesse
me procurado.

Se tivesse
me procurado,
a tarde seria começo.

O horizonte,
post do Instagram
filtrado.

Cá perto,
o moço
d'outro lado.

E o barulho rouco
dos motores,
fichinha
ante as batidas
deste coração
(quebrado).

Tela: Litzlberg am Attersee - entre 1914-15 - Gustav Klimt


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.