24 de maio de 2014

Flerte

Tela: Pierrot's embrace (ca 1900), Guillaume Seignac

"Olhar." Que olhar?
Pra quê ser vago
pra explicar o óbvio?

"Olhar." Besteira.
Por que não ver
o ululante?
O que fisga são
pernas, dentes, orelhas.
"Olhar."

O que acende é
peito largo, camisa
colorida,
perfume, relógio,
calça apertada.
Nada disso tem
retina.

O que prende são
pensamentos, ideias,
a fala, a escrita.
Os dedos, as meias,
os lábios.

O que pega é
gentileza, volume,
cabelo cortado
e esses braços
peludos
que se abrem, acolhem.
Agarram:
não me deixam partir.

Tela: Totentanz (1896), Max Slevogt


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.