23 de maio de 2014

Dia de David

Tela: Self-portrait as David (1756), Johannes Zoffany

Vi um calango
de duas cores
tomando banho de sol.
Viajei nas quatro patas
rasgando
telas de Lucio Fontana.

Mas elas não servem
pra isso.
Prestam a carregar
o corpo apressado
do bicho,
se alguém passa perto.

Como eu.

Andei rente ao calango
parado
e ele escapou no cimento,
varrendo cisco e formiga
com seu rabo espichado.

Se eu fosse o calango,
não fugia.
Encarava com estupor
a feição curiosa
de quem penso
meu ofensor.

No alto,
fazendo sombra,
lembra um Golias
a reprimir.

Por baixo,
calango-David,
abano a calda, jogo charme
e faço o gigante
cair por mim.

Tela: Davide e Golia (1605-07), Orazio Gentileschi


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.