24 de maio de 2014

Afobação

Tela: Tranquil Pond (Egelsee near Golling, Salzburg) - 1899 - Gustav Klimt

A formiguinha passou
apressada pela pia
preta.
Muitas vezes, rezo
assim: "Ave, Maria
na hora da nossa
morte. Amém".
Feito trem
desembestado.
Só quero chegar logo.

Aonde? Pra quê?
Pra depois sentir
saudade?
(Ontem, pus
a mesa
pros meus avós
que se foram.)

O tempo excede
e meus nacos
vão ficando pelos dias.
Quando tudo acabar,
o quanto de mim
estará comigo?

Amanhã
eu, que tanto corria,
serei pluma, vento,
alma, leve, nada.
(Na pia, a formiga
avança afobada...)

Tela: Attersee (1900), Gustav Klimt


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.