23 de abril de 2014

Sentença

Imagem de Craig Sunter from Manchester, UK

O aroma do tempo
se desdobra na
sala,
entre as costas
e a caixa torácica
do homem galante
de chapéu preto
e outros mais
que não posso ver.

Uma linha
de lã
que Deus puxou,
que se desenrola
entre campos,
bosques e espaços,
amarrando pelo
pescoço
o velho, o moço,
a criança.

O tempo estraga
cabelos,
lambe as faces,
deixando-as
rugosas, ásperas,
por mais que
tentem despistar com
injeções, fios
e máscaras.

O tempo resseca
madeiras e tábuas,
enferruja e torce
corrimões e escadas,
amarela livros, paredes,
nos rouba
avós, amigos, doentes.

O tempo não é
irmão:
é um senhor
indiferente,
muito gordo e onipresente,
que sem desculpa
ou permissão
leva memória e viço,
torna o presente, passado;
o futuro, parte da história.
Para todo o sempre.

Imagem de Peter Forster


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.