18 de março de 2014

Jeannie é um Gênio

Potion bottles containing perfume - Fotografia de Angela Andriot

Engarrafaram
os sorrisos
que dei
e os puseram
numa estante:
poucos vidrinhos
dispostos como
perfumes
numa loja vulgar.

Vez em quando
tenho ganas
de furtar
um dos vidros,
pra escutar
a risada
e relembrar
o que a fez
despertar.

Talvez
recordar
não seja o motivo.
Quero mesmo
é sentir
o meu riso no ar.

Voar derredor,
respingar
no meu rosto
(num borrifador),
me envolver
num colar:
a essência Le Sorrisot.

Tela: Unequal Couple (Detail) - cerca de 1623 - Hendrick ter Brugghen

Meu sorriso.

Dizem:
tudo em excesso
faz mal.
Eu digo:
sorrir
nunca é demais.

Rir
da piada bendita;
rir
do escorregão
que levaram;
rir
do picolé
que escorreu
- e não pude
limpar -;
rir
do sinal
que fechou
e me impediu
de cruzar.

Dizem:
água vale ouro.
Eu digo:
o riso tem sabor.

Eu quero ouvir
minha risada!

Balançar inteira
quando ela
ecoar.
Perder a postura,
baixar a cabeça,
pôr mãos na boca,
estirar-me
pra trás.

Não dá.

Meu riso
engarrafado
descansa na estante.
Não é minha.
Não posso alcançar!

Fotografia de Petr Kratochvil


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.