19 de março de 2014

Essa massa

Tela: The Kalverstraat - 1 May 1909 - Isaac Israels

Sufocada
no meio do povo,
eu vou.

Empurrada
feito carne
na moenda,
eu sou.

Ergo a cabeça
elevo o queixo,
não vejo nada.

Na ponta dos pés,
danço dança curta,
desajeitada.

Vou, não vou.
Direita, esquerda,
atrás, à frente,
atrás outra vez.

Meu Deus,
que calor!

Meus braços
não ergo,
falar
eu não ouso,
ninguém me olha.
Ninguém se vê.

Onde estamos?
Por que tão juntos?
Pra onde iremos?

Uma massa
uniforme,
sedenta de voz.

Ela existe?
Está lá adiante,
tão adiante,
que não se nota?

Aqui é quente.
Encostada assim
em ombro alheio
me dou conta:
pra quê mudar?
Por que não
ceder?

... Cedi.

Integro
a manada
que não sabe
de nada.
Não dispara.
Só quer...
... Existir.

Fotografia de Petr Kratochvil


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário