21 de fevereiro de 2013

Meu padrinho, Antônio

Tenho a sorte e a bênção de ter um padrinho (com nome de santo)
vivendo na África do Sul há mais de 12 anos, mas presente a minha vida toda.

Mesmo com todo um oceano Atlântico entre nós...

Imagem: Antônio em São Paulo - 2011 - Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

Minha lembrança mais remota é um Fusca verde-escuro. Foi um dos primeiros carros do meu padrinho, Antônio - o Toninho, ou melhor, o Padinho. Tenho uma recordação vaga de um piquenique no alto de um morro, gramado e rodeado de árvores, e o Fusca lá embaixo, estacionado. Era tão vidrada no automóvel dos meus padrinhos, Suzana e Antônio, que quando ia ao Parque Municipal com os meus pais, brincar em uma espécie de carrocel de veículos, sempre escolhia a réplica de um Fusca verde-escuro para me assentar.

Outra lembrança é a piscina para crianças do clube Cruzeiro.

Ao contrário dos outros pais, que preferiam olhar os filhos à distância, sob a sombra e com a cerveja gelada numa das mãos, o Padinho estava lá, sob o sol, dentro da piscina maxi-rasa, com uma boia em forma de peixe nas mãos, correndo, ou melhor: nadando, atrás do filho Flávio Augusto, da minha irmã Andréa Cristina e de mim, gritando: "Eu sou o jacaré! Lá vem o jacaré!". Lembro também o olhar meio perplexo, meio admirado das outras crianças, como se quisessem ter um pai como aquele.

Mais uma lembrança: meu padrinho, minutos infindáveis na fila de uma montanha-russa, enquanto Flávio Augusto, a filha caçula, Viviana Paula, Andréa Cristina e eu nos divertíamos em outros brinquedos. Ele ficava em pé, na fila, apenas para guardar lugar para todos nós, já que a tal montanha era concorridíssima.

Lembro também as mesas impecáveis de café-da-manhã que ele montava todos os sábados na casa dele. Meu padrinho achava "um crime" cortar o pão com a faca da manteiga e usar a faca de cortar o pão para passar a manteiga. Tudo tinha a sua função, o seu lugar. E o café-da-manhã ficava mais saboroso, tamanho o zelo da apresentação. O presunto parecia de outro mundo!...

Uma de suas lições: não se pode ficar à mesa com os braços abertos. Então, "obrigava" Flávio Augusto, Andréa Cristina e eu a colocar - e segurar - sob ambos os braços jornais dobrados, a fim de mantermos a postura. (Flávio Augusto detestava isso e chorava. Assim como chorou na vez em que meu padrinho não o deixou almoçar sem camisa e com o boné. Obrigou-o a pôr uma e tirar o outro.)

Mais lembranças (e desta eu me orgulho muito): no distante ano de 1983, meu padrinho acordou Flávio Augusto, Andréa Cristina e eu, para irmos à praia ver o nascer do sol. Estávamos em Cabo Frio. Na volta, fomos à padaria. Já na calçada, um senhor se aproximou e perguntou, referindo-se a nós três: "São todos seus [filhos]?". Meu padrinho respondeu: "Sim. Todos". Fiquei tão contente por saber que o Padinho teria orgulho de ser o meu pai!...

Antônio e eu em São Paulo - 2011 - Fotografia: Tuti Camargo

Antônio e eu em Belo Horizonte - 2011 - Fotografia: Magali

No também distante ano de 1986, meu padrinho e minha madrinha, Suzana, me acordaram de madrugada, para chegar à janela da sala-de-estar, a fim de ver o tal cometa Halley. Eu havia dormido na casa deles apenas para isto: ver o tão afamado cometa. Dizem que ninguém no planeta Terra conseguiu visualizá-lo. Eu consegui. Uma estrela brilhante, enorme, no céu. Fiz até um desenho. Inesquecível.

Padinho é um homem exigente, sistemático. Não esqueço a vez em que mandou o Flávio Augusto voltar várias vezes à farmácia, para que o vendedor finalmente lhe desse o produto e - especialmente - o troco certos. Porém, na exata medida em que é honesto com as pessoas e caprichoso em tudo o que faz, ele é extremamente bem-humorado, engraçado. A sua risada, seus ditos espirituosos, suas piadas, não há quem resista e permaneça sério. É tão bom se acercar de pessoas assim!...

Outra recordação muito, muito forte é a sua religiosidade.

Sobre o criado do meu padrinho, a primeira imagem de santo que vi na vida: Santo Antônio de Pádua. Creio que havia um rosário também. Ele ia à Santa Missa todos os domingos. E se minha irmã e eu estivéssemos passeando na casa dele, também éramos "obrigadas" a ir. Ele deu a mim e à Andréa Cristina uma Bíblia infantil. Pena que ela está na casa dos meus pais e não poderei reproduzir a dedicatória que fez por ora.

Há outras lembranças, como o dia em que o meu padrinho foi até o meu colégio olhar no mural de avisos se eu havia passado de ano ou ficado em recuperação (sempre fui muito estudiosa e neurótica!). Ou a noite em que uma lagartixa me aterrorizava - eu estava sozinha em casa - e ele ficou comigo ao telefone até que me tranquilizasse e o bicho asqueroso fosse embora.

Antônio em São Paulo - 2011 - Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

Antônio e Suzana em Belo Horizonte - 2011 - Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

Todas essas recordações - e muitas, muitas outras - só foram possíveis, porque convivi com o meu padrinho. Sempre considerei a casa dele e da minha madrinha, Suzana, uma extensão do meu próprio lar. As fotografias dos meus aniversários, de várias viagens e de momentos casuais, como um almoço de sábado ou um lanche à tarde, durante a semana, trazem estampados os rostos deles e dos filhos, Flávio Augusto e Viviana Paula.

Não. Ele está bem. Padinho está vivinho da Silva (como dizemos aqui no Brasil). Para você ter uma ideia, hoje, 21 de fevereiro, é o seu aniversário. Dia de São Pedro Damião.

Se escrevi este Post d'A Católica com os verbos no passado, se usei demasiadamente as palavras "lembrança" e "recordação", é porque simplesmente o meu padrinho, sua esposa e sua filha, Viviana Paula, estão longe de mim. Literalmente. Geograficamente, vivem na África do Sul. Suas raízes estão fincadas lá há mais de 12 anos. A nós, que permanecemos no Brasil, restaram os frutos (ora doces, ora amargos) da saudade.

A mim especificamente, resta este amor intenso, esta gratidão doída, esta dívida irremunerável que adquiri ante tudo o que fizeram - e ainda fazem - por mim. Padinho querido: que bom que você existe. FELIZ ANIVERSÁRIO!

Copa do Mundo na África do Sul - Brasil x Costa do Marfim - Junho 2010 -
Shailen, a esposa Viviana Paula e meu padrinho, Antônio - Arquivo de Família

Siga A Católica com + bloglovin'!
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

2 comentários:

  1. Nossaaaaa. Chorei, ri, curti, amei!

    Amo minha familia, amo o padinho!

    ResponderExcluir
  2. Lindo Ana Paula! Tambem tenho lindas recordacoes daqueles anos. Como vcs curtiam tudo com esta familia linda da minha querida irma. Parabens Toninho! Seja muito feliz! Magali.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.