26 de junho de 2011

Love Story e o Reino de Deus

Enquanto não despertarmos do nosso sono, o Reino dos Céus
continuará como um filme bonito, numa tela de cinema.
Distante da realidade e de todos nós.

(Imagem: Reprodução-Internet)

Não tem nada demais. Alguns cenários, dois personagens principais e uns cinco coadjuvantes, que falam pouco mais do que algumas frases. Mas há o roteiro brilhante, a trilha sonora maravilhosa de Francis Lai - ganhadora do Oscar - e as atuações realistas e contagiantes dos atores Ali MacGraw e Ryan O'Neal. Com pouca firula e bastante intensidade, Love Story (Estados Unidos, 1970), dirigido por Arthur Hiller, cativa desde os corações mais duros até os amantes dos efeitos especiais, que "torcem o nariz" para uma história simples, contada na tela sem muitos recursos de tecnologia.

Como bem observou meu marido Farney, Love Story é um drama.

Mamãe Gali o assistiu no cinema. Disse-me que todo mundo (todo mundo mesmo) saiu da sala escura de projeção "fungando o nariz", ou seja, emocionadíssimo. Realmente, o final do enredo, depois que você acompanha o desenrolar do destino das personagens Jennifer Cavalleri e Oliver Barrett IV, é de "cortar o coração". Poucas vezes na vida - e olhe que já vi muito filme em mais de 30 anos - assisti a uma história de amor tão bonita, sincera, profunda e bem-humorada. Bem-humorada também. Eis o diálogo que Jenny e Oliver travam, logo que se conhecem:

Jennifer Cavalleri: Você parece estúpido e rico.
Oliver Barrett IV: E se eu disser que sou inteligente e pobre?
Jennifer Cavalleri: Eu sou inteligente e pobre.
Oliver Barrett IV: E o que faz você tão inteligente?
Jennifer Cavalleri: Eu não sairia para tomar um café com você. Eis o que me torna inteligente.
Oliver Barrett IV: E se eu disser que nunca chamaria você para tomar um café comigo?
Jennifer Cavalleri: Bem, é isso que o torna estúpido.

Claro que, na cena seguinte... Eles aparecem na cafeteria!

(Imagem: Reprodução-Internet)

A força de Love Story está em nos fazer acreditar - nós, espectadores - que uma relação como a de Jenny (Ali MacGraw) e Oliver (Ryan O'Neal) existe. É possível. Uma conexão honesta, na qual não há espaço para "máscaras" (fingimento ou traição) nem superficialidade. Independentemente da opção religiosa que fazem (ou da falta dela), Jenny e Oliver representam o ideal de todo relacionamento: uma ligação profunda, porque fundada na verdade, no amor e, como visto acima, no humor. Acontece que isso... É uma quimera. Uma ilusão.

Como bem observou a própria Ali MacGraw, hoje aos 72 anos de idade, em conversa recente com a apresentadora de TV Oprah Winfrey, Love Story trata do sonho do amor romântico. Na vida real, a história de Jenny e de Oliver é simplesmente inalcansável, ainda que, ao assisti-la, sejamos convencidos da sua possibilidade. O filme imortalizou a frase: "Amar é jamais ter que pedir perdão". Aos risos, Oprah Winfrey afirmou: "É justamente o contrário! Quem ama tem que pedir perdão. Sempre".

E por que escrevi tudo isso até agora, internauta d'A Católica?

Porque estive pensando... Em Jesus, na Sua mensagem, e em nós, cristãos. Afinal, o que é o Reino de Deus, senão um sonho de Cristo para nós?

Nele, os que têm fome serão fartos; os que choram se alegrarão; os que são odiados, expulsos, ultrajados e que têm o nome repelido como infame "por causa do Filho do homem" terão um grande "galardão no céu" (Lc 6, 20-23). O sonho de Nosso Senhor para nós, diferentemente do que parece ser Love Story, é possível. Contudo, está tão distante quanto a ilusão criada na grande tela branca do cinema.

The Sermon of the Beatitudes (1886-96), by James Tissot

Quando olhamos para o mundo lá fora (corrupção de alguns políticos e de síndicos de prédios; violência no trânsito; miséria nas periferias) e, também, para nós mesmos (nossas mesquinharias, nosso egoísmo) dá um desânimo... Difícil crer que o Reino de Deus possa, num dia, acontecer em nós. Entretanto, é tão bom sonhar com ele!...

Sonhar com o dia em que manteremos a nossa língua grande dentro da boca antes de xingar ou falar mal de alguém. Sonhar com o dia em que pais, patrões, governantes, síndicos, delegados, policiais e juízes não abusarão de sua autoridade para oprimir os que lhes obedecem. Sonhar com o dia em que parentes vão parar de criticar e invejar uns aos outros e (o que é pior) de fingir que estimam quem, pelas costas, desprezam.

Sonhar com o dia em que sogras ou cunhadas amadurecerão. Dia em que, finalmente, reconhecerão que seus filhos ou irmãos se casaram e, agora, devem fidelidade e lealdade em primeiríssimo lugar à mulher que escolheram e desposaram.

Sonhar com o dia em que católicos despertarão de seu sono. A fim de finalmente entenderem que o bom cristão não é quem assiste à Santa Missa em latim; bota o filho no catecismo aos quatro anos de idade; não falta a um evento na paróquia; só veste blusa com gola até o pescoço e saia que cobre, no mínimo, os joelhos; nem quem recrimina os irmãos que seguem outras crenças, chamando-os de "Perdidos em outras religiões", como ouvi certa vez.

Infelizmente, eu assevero a você: praticamente (eu disse "praticamente", porque há exceção) nenhum católico que conheço foi testemunho forte e bonito o suficiente para eu retornar à Igreja. Voltei, porque através da TV Canção Nova fui conhecendo a Doutrina Católica. Fui me dando conta da sua imensa beleza. E de como quase ninguém a coloca em prática.

CLICK na imagem para conhecer.

(Reprodução-Internet)

A propósito, nós somos péssimos exemplos uns para os outros.

Cansei de ver "de camarote" católico dando valor a futilidades como um sofá de R$ 7 mil ou a outros bens materiais, como utensílios de lojas caras. Por outro lado, eu mesma, noutro dia, dei um chilique tão grande, perdi a paciência por uma coisa tão tola, tão pouca, que meu primo Flávio Augusto (que até onde sei é espírita kardecista) deve ter pensado: "Se a Ana Paula, que é católica 'fervorosa', age desse jeito, eu é quem vou continuar espírita mesmo...".

Enquanto insistirmos em praticar, pensar e falar O CONTRÁRIO do que Cristo prega - o verbo aparece no tempo presente, porque Ele está conosco "todos os dias, até o fim do mundo" (Mt 28, 20) -, deixaremos o Seu Reino no mesmíssimo nível da história romântica de Love Story: um sonho bonito e distante numa tela de cinema. Uma quimera da qual nos esquecemos assim que as luzes se acendem e deixamos a sala de projeção: tudo o que temos são olhos marejados. E só.


Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

2 comentários:

  1. Inteligentíssimo como sempre, mas meu preferido é depois do catecismo amarelo. Aquilo sim é de uma realidade verossímel, extremada, pois tbém me via agora bem pouco, graças ao meu bom Deus que me prova no cadinho, vejo assim. Meu abraço!

    ResponderExcluir
  2. Que lindo, olha verdade tudo oq vc falou eu acho linda a maneira que os catolicos tradicionais se comportam, mas a arrogancia deles me frustra e me irrito com tanta liberdade na RCC mas o coração misericordioso deles me encanta.

    Ainda bem que sou católica e apesar dos pesares, a minha Igreja é una e não preciso nem da RCC e nem de tradicionalistas para estar amando a Deus e seguindo nossa pastor o Papa.

    Adorei! Beijos

    ResponderExcluir