21 de maio de 2011

Impossível? Não, para Rita de Cássia

Fazer videira dar frutos, rosa florir no inverno e marido grosso ficar dócil.
Esses são alguns dos prodígios da santa italiana a quem você e eu podemos recorrer,
sempre que julgarmos que um problema é tão difícil, que não existe solução

Fotografia de Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

Imagine uma mulher que nasceu não com uma, mas com várias vocações. Imaginou? Não? Acha difícil? Pois ela existiu. Chamava-se Rita e viveu na Itália entre os anos de 1381 e 1457. É conhecida como A Santa das Causas Impossíveis. E o "impossível" na sua vida começa pelo seu dom espantoso de viver intensamente todas estas vocações: filha atenciosa, esposa fiel, mãe dedicada e religiosa fervorosa. Vejamos a de filha.

Desde cedo a menina Rita sabia o que queria ser quando crescesse: uma religiosa, fechada em um convento. Porém, acatando os planos de seus pais idosos - que tinham o sonho de ter netos, conforme Frei Jorge E. Hartmann OFM (Ordem dos Frades Menores) -, casou-se com o "violento e irriquieto" Paolo de Ferdinando. O matrimônio, ao menos nos primeiros tempos, foi uma provação. Segundo Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini em Um Santo para Cada Dia (Paulus, 1996):

As biografias da santa nos pintam uma cena familiar não incomum: uma mulher doce, atenta a não ferir a suscetibilidade do marido, de cujas maldades está consciente, e sofre e reza em silêncio.

Frei Jorge E. Hartmann OFM nos conta que, além de brigão, Paolo era "bebedor, mulherengo e pouco chegado à religião". Contudo, com amor, paciência e oração, Rita conseguiu tocar o coração do esposo, convertendo-o. Juntos, tiveram dois filhos.

Não obstante o marido da santa mudasse de vida e de costumes, seus inimigos não esqueceram "os velhos rancores acumulados", de acordo com Sgarbossa e Giovannini. Assim, num dia, Paolo de Ferdinando "foi encontrado morto na beira de uma estrada". Os filhos, que saíram ao pai, ou seja: tinham o mesmo temperamento "violento e irriquieto", decidiram vingar a sua morte. Conforme Frei Jorge E. Hartmann OFM:

Quando Rita percebeu que não conseguia fazê-los mudar de ideia, fez uma oração ousada. Pediu a Deus que salvasse seus filhos e que os levasse para junto de Si antes deles tornarem-se assassinos. Deus ouviu a sua prece!

O excelente filme Santa Rita de Cássia (Itália, 2004), dirigido por Giorgio Capitani, mostra os dois meninos internados em um hospital para leprosos, vitimados pela peste - provavelmente seria a Peste Negra, que continuou atingindo a Europa, de tempos em tempos, de 1347 ao século XVIII.

Fotografia de Nat Sakunworarat

Enfim, Rita estava só. E foi bater à porta do convento das Irmãs Agostinianas de Cássia - da Ordem de Santo Agostinho. Segundo Frei Jorge E. Hartmann OFM, a superiora a rejeitou, porque era viúva. Na versão do filme de Giorgio Capitani, a superiora a recusa, porque queria ter a certeza de sua vocação: convento não é lugar para o qual fugir, a fim de se esconder dos sofrimentos do mundo.

Sgarbossa e Giovannini relatam que, decidida e persistente, a santa recorreu a "seus três santos protetores, São João Batista, Santo Agostinho e São Nicolau de Tolentino". Os autores continuam:

Os três santos apareceram-lhe e convidaram-na a segui-los. Arrombaram a porta do convento, bem protegido por correntes e levaram-na bem no meio do coro, onde as freiras estavam recitando as orações da manhã.

De acordo com Frei Jorge E. Hartmann OFM, a superiora "aceitou-a, mas procurou prová-la na obediência. Mandou-a plantar um galho seco de videira e regá-lo diariamente. Após dois anos, milagrosamente a videira brotou".

Fotografia de Jill Clardy

Esse não foi o único milagre de Rita no convento das agostinianas. É o frei quem descreve:

Um dia prostrada diante do Crucificado pediu-lhe a graça de poder sentir um pouco da grande dor da crucifixão. Prodigiosamente um espinho da coroa de Cristo cravou-se na fronte da Santa. A ferida passou a exalar um odor de podridão. As co-irmãs passaram a evitá-la.

Descente de croix du retable Stauffenberg (détail)
Fotografia de vincent desjardins

Fotografia de Simon Speed

Fotografia de Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

Conforme Sgarbossa e Giovannini, "esse estigma milagroso, recebido durante um êxtase, marcou-lhe o rosto com uma dolorosíssima chaga purulenta até a morte, isto é, durante 14 anos". Houve ainda um terceiro e último prodígio envolvendo-a. Mais uma vez, é Frei Jorge E. Hartmann OFM quem narra:

No leito de morte pediu um sinal ao Senhor para saber se o marido e os filhos estavam no céu. Era inverno e ela ousou pedir uma rosa e dois figos, algo que não nasce nesse período. E o impossível aconteceu!

Fotografia de Petr Kratochvil

Fotografia de Peter Griffin

Sgarbossa e Giovannini afirmam que a fama de santidade de Rita já havia ultrapassado "os muros do rigoroso convento de Cássia". Suas orações alcançaram curas e conversões. Cá entre nós: haver vencido a violência doméstica com oração, paciência e amor já sinalizava as façanhas que viriam. Dobrar a disposição colérica do marido já era uma amostra notável do que a santa italiana seria capaz em vida.

Neste 22 de maio, portanto, nós católicos a relembramos com carinho, respeito e o desejo sincero de seguir os seus passos. Que Deus nos ilumine nesse intento!

Termino este Post d'A Católica dividindo com você, meu internauta, as mais belas orações a Santa Rita de Cássia que conheço. Que elas o consolem como consolam a mim, sempre que as rezo. Saúde e Paz!!

Oração à Santa Rita
(Em: Coroa de Santa Rita para obter graças nos negócios difíceis, Inluma)

Excelsa protetora, ó gloriosa Santa Rita de Cássia, remédio para todas as aflições,
baixai sobre os meus padecimentos o vosso olhar pleno de misericórdia!
Em honra do Sacratíssimo Sangue de N. S. Jesus Cristo,
em memória do espinho que tivestes na fronte
e da chaga que nele pacientemente sofrestes,
com o mais humilde recolhimento,
rogo-vos interceder por mim junto de Vosso Divino Esposo,
para que me seja dada a graça que nesta angústia vos imploro.

(Aqui cada um pedirá o que deseja alcançar, que deve ser sempre coisa
que convenha à glória de Deus e à salvação de sua alma.)

Milagrosa Santa Rita de Cássia, rogai por mim, favorecei a minha súplica,
vós que resolveis todas as dificuldades,
que sois a santa "advogada dos impossíveis",
que por vossas sublimes virtudes tudo conseguis em nosso benefício;
descei um olhar generoso a esta aflita criatura que recorre à vossa piedade.
Ajudai-me, patrocinai minha causa;
dai-me remédio e amparo nas minhas aflições;
socorrei-me e defendei-me em todos os perigos da alma e do corpo!
Amém.


Súplica à Santa Rita de Cássia
(Livro de Orações, Editora Ave-Maria)

Poderosa Santa Rita,
a quem Deus constituiu auxiliadora dos cristãos,
nós te escolhemos como senhora e protetora desta casa.

Digna-te mostrar aqui teu auxílio poderoso.
Preserva esta casa de todo perigo:
do incêndio, da inundação, do raio, das tempestades,
dos ladrões, dos malfeitores, da guerra e
de todas as outras calamidades que conheces.

Abençoa, protege, defende, guarda como coisa tua
as pessoas que vivem nesta casa.
Sobretudo concede-lhes a graça mais importante:
a de viverem sempre na amizade de Deus, evitando o pecado.

Dá-lhes a fé que tiveste na Palavra de Deus,
e o amor que nutriste para com o teu Salvador Jesus e
para com todos aqueles pelos quais Ele morreu na cruz.

Gloriosa Santa Rita, roga por todos os que moram nesta casa
que te foi consagrada. Amém.

Santa Rita de Cássia, Rogai por Nós!

Fotografia de Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

2 comentários:

  1. Ao conhecer o seu blog, deparei-me com Santa Rita e fui conhece-la aqui e então, orei sua oração e fiz o meu pedido, minha graça e caso eu seja atendida nessa minha graça, postarei aqui meu testemunho de que realmente Santa Rita é a Santa das causas impossíveis. Amém!

    ResponderExcluir