31 de maio de 2011

Maria: a visita que todo mundo quer receber

É uma honra acolher a Mãe do Salvador! Porém, proponho um desafio:
vamos ser (como) Maria e causar alegria em quem nos receber.
Detalhes sobre a Visitação de Nossa Senhora, você acompanha neste Post

(Detail Antependium (1410); Wolle, Leinen, Seide - Fotografia de User:FA2010)

"Passei anos tentando engravidar. Em vão. Minha comunidade dá muito valor à maternidade, à descendência. Era a minha vergonha não haver gerado filhos. Até pouco tempo atrás, estávamos meu marido e eu. Velhos e sozinhos. Um pelo outro. Até que um dia... Me vi grávida. Em vez de felicidade, senti medo, tristeza e até raiva: 'Tantos anos e só agora Deus nos abençoava com um filho?'. Fiquei sem graça também. Imagine: todo mundo saberia que, na nossa idade, meu marido e eu ainda..."

Esse diálogo interior seria de Isabel ou Elisabete, como é chamada em outros idiomas. Trata-se da prima de Maria, a mãe de Jesus. Foi Padre Léo, em uma de suas centenas de palestras gravadas na Canção Nova, quem falou desse jeito uma vez, como se nos quisesse colocar dentro da mente de Isabel, a fim de nos mostrar o seu estado psicológico, quando Nossa Senhora decidiu deixar Nazaré, na Galileia, e subir até a cidade de Ain Karim, a seis quilômetros de Jerusalém, na Judeia, apenas para visitá-la.

Quanto ao estado psicológico ou à disposição de alma de Nossa Senhora, estes eram bem diferentes: ela vinha da Anunciação - confira o Post d'A Católica Fiat, anjo Gabriel!. Conforme o livro Maria dos Evangelhos (Paulinas, 2010), a mãe de Cristo sentia e irradiava "alegria plena de gratidão e encantamento":

A primeira palavra de Gabriel havia sido: Alegra-te. Maria não vai ignorar tal saudação e convite. Ela se deixa esclarecer por essa mensagem de alegria. O menino que se forma nela é a sua maior fonte de alegria.

Maria não é tocada pelos perigos possíveis: ser despedida, perder o bom nome, em sociedade e perante os pais, ser lapidada. Ela está estabelecida na alegria e a sua força vem do céu: 'Nada é impossível a Deus' [Lc 1, 37]. É desta mulher ditosa que dizemos: Causa da nossa alegria, porque o filho que ela traz no seio é toda a nossa ALEGRIA.


Prova disso é que a visita da Virgem, sua "mera" presença, mudou completamente a disposição de alma da prima anciã. A Menina de Nazaré e o Menino Jesus foram a causa da alegria do feto João Batista, que estremeceu de júbilo no ventre, e consequentemente de Isabel, que o gestava há seis meses e vibrou junto, entoando "o 1º canto endereçado a Maria". Na mesma obra, Giovanni Maria Bigotto o transcreve:

30 de maio de 2011

Da janela lateral

... Vejo "um voo pássaro" e, também, a bandeira do Brasil -
tremulando a favor do vento. Deu vontade de pensar no meu país.
Neste Post: imagens, um poema e uma canção.

Fotografia de Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

Fotografia de Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

O propósito deste Post é tão singelo...
... Apenas dividir com você, internauta d'A Católica, a vista da minha Janela Lateral. Assistir à bandeira do Brasil tremular lá adiante... Tão distante de mim; me fez lembrar coisas díspares: 1ª) a canção de Ivan Lins e Vitor Martins, Meu País, e 2ª) um poema de Afonso Romano de Sant'Anna: Ser Nacional (1992).

Assim, decidi compartilhar estas três formas de arte, digamos assim, com você: a fotografia, o poema e a canção. O Brasil nos evoca amor. E o comportamento de alguns de nós, brasileiros, dá o que pensar. O que questionar. O que lamentar. Um Post despretensioso. Apenas, refletindo sobre o BRASIL... Saúde e Paz!!

28 de maio de 2011

Minha melhor amiga ficou mais velha

A enfermeira Viviana Paula tem um papel importante na minha história.
Só me resta bendizer a Deus pela sua vida.
Neste Post d'A Católica, VOCÊ acessa uma cartinha muito pessoal a ela

(Fotografia de c. kennedy garrett)


meus amigos
quando me dão a mão
sempre deixam
outra coisa

presença
olhar
lembrança calor

meus amigos
quando me dão
deixam na minha
a sua mão

Paulo Leminski (1944-1989), poeta paranaense


27 de maio de 2011

Pippo Buono: o santo que dava risadas

Filipe Néri ria de quem se achava "um cristão exemplar"
e ria muito de si mesmo também. É dele a frase:
"O servo de Deus deve estar sempre alegre". Um apelo para todos nós

(Fotografia de zitona qatar from doha, qatar)

Maio de 1954 - Fotografia de Roger e Renate Rössing - Fonte: Deutsche Fotothek‎

"Quem exibe a sua religiosidade não é religioso."
(São Filipe Néri)

Não sei quanto a você. De vez em quando, eu trombo na vida - e isso inclui a Blogosfera ou Efigênia, o mundo dos Blogs - com gente que acha que ser "um bom católico" consiste em assistir à Santa Missa em latim (verdade, não estou inventando), encobrir as pernas, falar mal do carnaval, assegurar que as outras religiões cristãs não prestam e atacar o movimento da Renovação Carismática Católica... Só não me estendo mais, porque o restante da lista é realmente triste.

Por isso, é tão bom saber que alguém que era cético em relação a pessoas "religiosamente exageradas", que exibem e defendem uma "ascese rigorosa", ou seja, que querem fazer todo mundo crer que levam uma "vida irrepreensível"... Tornou-se santo. Trata-se do italiano São Filipe Néri, conhecido entre os romanos como o Pippo Buono, devido a sua bondade alegre e otimista, conforme Enzo Lodi em Os Santos do Calendário Romano - Rezar com os santos na liturgia (Paulus, 2007).

O monge beneditino alemão Anselm Grün, em seu maravilhoso livro 50 Santos (Edições Loyola, 2005), que já mereceu uma Resenha do Blog A Católica, explica:

Ele [Filipe Néri] desmascara o pathos pomposo como expressão de falsa religiosidade e desarma com seu sorriso todos os severos moralizadores, que muitas vezes apenas projetam suas necessidades reprimidas nos outros e a partir disso desenvolvem a sua teologia.

Filipe, em suma, foi um sacerdote que renunciou a toda fama, pompa e circunstância, que desconfiou de quem se acreditava "um cristão exemplar" e que, especialmente, riu de si mesmo. E fez os outros rirem. Segundo Anselm Grün, o escritor Reinhard Raffalt afirmou que esse santo - cuja memória a Igreja celebrou neste 26 de maio - incorporou "um novo elemento na tradição, que até então era considerado quase blasfemo: o humor".

Afinal, qual é a história de São Filipe Néri, tão amado pelos romanos?

25 de maio de 2011

Viver é aprender a dizer Adeus

Tenho uma coleção de acenos que deixei no ar,
ao longo da minha vida. Minha irmã Andréa Cristina partiu,
como há muito tempo tanta gente querida anda fazendo

Goodbye, on the Mersey (1881), James Joseph Jacques Tissot

Acabei de assistir a um vídeo postado no Facebook. Um vídeo de despedida. Minha irmã, Andréa Cristina, deixou o seu emprego de Terapeuta Ocupacional da Prefeitura de Contagem, na Grande BH (Brasil), para morar na cidade de São Paulo com o marido, o engenheiro Luis Guilherme. Já falei sobre ela, e o trabalho incrível que desenvolve, aqui no Blog A Católica, no Post Homenagem aos Católicos Não-Praticantes.

Só para retomar (e em síntese).

A especialidade da minha irmã - que tem uma Pós-Graduação nisto - é promover a participação dos Deficientes Mentais na sociedade. Tratam-se de pessoas que sofrem de doenças como a esquizofrenia. E ela era uma funcionária pública exemplar. Começou a carreira na cidade de Divinópolis, no Oeste do estado brasileiro de Minas Gerais, depois passou em um outro concurso público, a fim de trabalhar mais perto da capital de Minas, Belo Horizonte.

Andréa Cristina foi a pioneira, se não me engano tanto em Divinópolis quanto em Contagem, em literalmente "correr atrás" de espaços culturais aonde ela pudesse levar os seus pacientes. Locais, como: museus, galerias de arte, cinemas e teatros. Minha irmã telefonava, explicava a importância de eles receberem os doentes mentais e conseguia ingressos gratuitos. Por isso, ela tem um compêndio de histórias hilárias, envolvendo seus pacientes. E outras emocionantes.

24 de maio de 2011

Happy Birthday, Mr. Blog

A Católica faz 10 meses! Neste Post, estatísticas e agradecimentos.
Você é internauta assíduo? Muito Obrigada!
Está chegando aqui pela 1ª vez? UAU. Seja bem-vindo! Espero que volte.

(Fotografia de Petr Kratochvil)

(Fotografia de Petr Kratochvil)

Chegou o dia de celebrar mais 30 dias "de vida" do Blog A Católica. Faço questão de compartilhar as minhas alegrias e observações com você, internauta, porque não é fácil cuidar de um Blog. Especialmente, quando a bloggueira toma a decisão de levar isso a sério. Cada Post publicado resulta de horas de leitura, de pesquisa de imagens e da redação da crônica, propriamente dita.

Nem sempre os bloggueiros fazem assim - infelizmente. Alguns preferem ficar copiando e colando textos de outros blogs, de sites de notícias como o da agência Zenit ou mesmo da Wikipedia. Bloggar é fácil quando se resume a isto: reproduzir o trabalho e o esforço dos outros. Mas, é um verdadeiro desafio quando a bloggueira se propõe a criar um produto inédito e se empenha nessa tarefa nobre.

Vamos adiante. Como de costume, trago as estatísticas deste 10º mês.

23 de maio de 2011

Visita à NOVA loja da Canção Nova

Conheça a loja da comunidade que me ajudou a
gostar de ser católica outra vez.
Neste Post, mais de 30 fotos e o meu testemunho. Entre! Confira!

Fotografia de Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

Fotografia de Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

Fotografia de Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

A Avenida Isabel Bueno, nº 400, Bairro Jaraguá, não é mais o único endereço da Loja Canção Nova em Belo Horizonte. No dia 15 de maio, uma segunda filial foi inaugurada bem no centro da capital do estado de Minas Gerais (Brasil). E A Católica esteve lá para conferir o novo espaço, conversar com as responsáveis, adquirir alguns produtos e, claro, fotografar tudo para que você possa conhecê-lo também!

Se ainda não sabe, a Loja Canção Nova pertence à comunidade católica de mesmo nome, fundada por Monsenhor Jonas Abib em 1978. Cada comunidade católica tem um carisma, ou seja, uma vocação para cumprir. A da Canção Nova é evangelizar através dos meios de comunicação: rádio, TV e Internet. Foi pela TV Canção Nova que eu conheci esse trabalho maravilhoso, que não se cansa de tocar e converter corações.

O meu foi um deles.

Quando o fiel não está na igreja, participando da Santa Missa, não pode ouvir as palavras do padre para mudar de vida. Assim, o sacerdote não é o único meio de que o bom Deus se vale para atrair a Si os corações que precisam de conversão. Ele precisa de outros evangelizadores, que ocupem espaços vários e cheguem até aqueles que estão afastados. Como eu estava - até o 2º semestre do ano de 2007.

O que, devagarinho, foi me trazendo de volta ao Catolicismo, foram as missas do Padre Marcelo Rossi, transmitidas às 15h das tardes de sábado pela emissora de televisão Rede Vida, e a programação da TV Canção Nova. Assistir a programas como Trocando Ideias, Escola da Fé e Especial Padre Léo (ou Buscai as Coisas do Alto) me ajudou a perceber que Ser Católica é difícil sim, mas vale a pena. E pode ser extremamente gostoso!

É aqui que entram os produtos da Canção Nova.

Acompanhar a emissora no dia a dia nos deixa com aquela vontade de "quero mais". Os livros, os CDs e os DVDs, portanto, são um prolongamento da evangelização que acontece pela TV. E até mesmo não-católicos são tocados pela experiência e a sabedoria dos missionários da comunidade. Mamãe Gali, por exemplo, que é espírita kardecista, adquiriu o livro Quem tem que mudar Sou Eu. E está adorando!

Agora... É hora de você ver as fotos da NOVA Loja Canção Nova em BH.

Ela funciona na Avenida Amazonas, nº 121, Centro, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, e aos sábados, das 9h às 13h. O telefone é: 31-3658-3586.

Quem adquire os produtos na nova loja (e também na loja do Bairro Jaraguá) ajuda diretamente o projeto Dai-me Almas, que sustenta a missão da comunidade de evangelizar pelos meios de comunicação. Cem por cento do lucro das vendas vão para esse projeto. Se, como eu, você também vive na Grande BH, não deixe de dar uma passadinha! A nova loja é ampla e você será muito bem-recebido pelas duas colaboradoras que trabalham lá: Keila e Dórica. Aprecie as fotos. Inté!

21 de maio de 2011

Impossível? Não, para Rita de Cássia

Fazer videira dar frutos, rosa florir no inverno e marido grosso ficar dócil.
Esses são alguns dos prodígios da santa italiana a quem você e eu podemos recorrer,
sempre que julgarmos que um problema é tão difícil, que não existe solução

Fotografia de Ana Paula~A Católica (acatolica.com)

Imagine uma mulher que nasceu não com uma, mas com várias vocações. Imaginou? Não? Acha difícil? Pois ela existiu. Chamava-se Rita e viveu na Itália entre os anos de 1381 e 1457. É conhecida como A Santa das Causas Impossíveis. E o "impossível" na sua vida começa pelo seu dom espantoso de viver intensamente todas estas vocações: filha atenciosa, esposa fiel, mãe dedicada e religiosa fervorosa. Vejamos a de filha.

Desde cedo a menina Rita sabia o que queria ser quando crescesse: uma religiosa, fechada em um convento. Porém, acatando os planos de seus pais idosos - que tinham o sonho de ter netos, conforme Frei Jorge E. Hartmann OFM (Ordem dos Frades Menores) -, casou-se com o "violento e irriquieto" Paolo de Ferdinando. O matrimônio, ao menos nos primeiros tempos, foi uma provação. Segundo Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini em Um Santo para Cada Dia (Paulus, 1996):

As biografias da santa nos pintam uma cena familiar não incomum: uma mulher doce, atenta a não ferir a suscetibilidade do marido, de cujas maldades está consciente, e sofre e reza em silêncio.

Frei Jorge E. Hartmann OFM nos conta que, além de brigão, Paolo era "bebedor, mulherengo e pouco chegado à religião". Contudo, com amor, paciência e oração, Rita conseguiu tocar o coração do esposo, convertendo-o. Juntos, tiveram dois filhos.

Não obstante o marido da santa mudasse de vida e de costumes, seus inimigos não esqueceram "os velhos rancores acumulados", de acordo com Sgarbossa e Giovannini. Assim, num dia, Paolo de Ferdinando "foi encontrado morto na beira de uma estrada". Os filhos, que saíram ao pai, ou seja: tinham o mesmo temperamento "violento e irriquieto", decidiram vingar a sua morte. Conforme Frei Jorge E. Hartmann OFM:

20 de maio de 2011

Meu avô tinha nome de santo

Como João Câncio, o santo, João Câncio, o avô,
era pacato, magnânimo e bem-humorado.
Dois bons exemplos para eu (e quem sabe para você?)
me espelhar e mudar como pessoa

Tomb of Saint John Cantius in St Anna Church (Cracóvia - Polônia),
por Ludwig Schneider/ Wikimedia Commons

Ver meu avô deitado no caixão foi estranho. Uma das minhas lembranças de infância é a Mãe-Ita (sua mulher) nos enfileirando no corredor com piso de tacos cor de caramelo, dizendo: "Acordem o Vovô João. Não gritem, apenas façam cosquinhas nos pés dele...". Era divertidíssimo. Ele tinha pés enormes. Andréa Cristina, minha irmã, Flávio Augusto, meu primo quase irmão, e eu colocávamos as nossas seis mãozinhas juntas e não dava uma sola de pé do Vovô João!...

Naquele 29 de abril de 2009, porém, mesmo com as nossas mãos crescidas, não haveria cócegas suficientes para erguer o meu avô e tirá-lo dali. Ele estava deitado e dormia profundamente. Era o seu sono eterno. Foi para Os Braços do Pai.

Reparei no seu rosto. Diferentemente de alguns defuntos, que inspiram comentários do tipo: "Descansou, né?"; meu avô estava com as feições rijas, parecia um idoso mal-humorado (coisa que nunca foi), como se me dissesse: "Estou indo. Fui. Mas não gostei". Deitado no caixão, ele me parecia visivelmente contrariado. "Você não é o único, Vovô. Muita gente gosta demais da bagunça deste mundo, desta beleza chamada Vida. Mas, ela acaba aqui. E continua em um outro lugar...".

Desde que meu avô materno morreu - um dos meus avós maternos, porque tive o privilégio de ter dois por parte de mãe: Vovô Jaime havia morrido antes, em 1980 -, bem, desde que ele se foi, resolveu (vez ou outra) povoar os meus sonhos. Que eu contei, já foram mais ou menos quinze. Não estou exagerando. Os oito primeiros sonhos que tive com o Vovô João estão devidamente documentados.

17 de maio de 2011

Ei: é proibido estacionar!!

Há pessoas com dificuldade de respeitar leis simples
que facilitariam a vida em sociedade. Simplesmente ignoram o
"Proibido Estacionar" e causam frustração e ansiedade em suas vítimas

(Foto da placa em inglês: "Não estacione hora nenhuma", por Andrew Schmidt)

Sábado, 19h45. Lá estavámos meu marido e eu. Presos numa via estreita. Bem antes de uma curva. Num grande ônibus azul que estava atrás de outro grande ônibus azul. "Por que aquele da frente não faz a curva logo? Por quê? Que molenga!" - eu e minha ansiedade (da qual já falei no Post Você SECA as suas imperfeições?). "Aposto que é algum carro estacionado em lugar errado...", Farney vaticinou. E acertou.

Quando chegou a vez de o nosso ônibus passar pelo mesmo ponto, que dificuldade! Pude ver com meus próprios olhos a cara de pau de um cidadão: deixar o automóvel bem debaixo de uma enorme placa vertical presa ao chão: "Proibido Estacionar". Fiquei revoltada - o que não me custa muito, porque sou pavio curto, "tolerância zero".

Primeiro, porque estava em cima da hora de eu chegar em casa e assistir a um programa de que gosto muito: American Idol. Conhece? Candidatos a pop stars soltam a voz e o corpo no palco, despejando todo o seu talento, a fim de se tornarem um novo ídolo da música. (Aqui no Brasil, passa no canal a cabo Sony.) O que não me impediu de refletir com o meu marido: "Minha pressa é por um motivo tolo. E se fosse algo mais grave? E se alguém dentro do ônibus precisasse chegar em casa, para socorrer alguém?".

Segundo, porque fico pasma com a tranquilidade com que algumas pessoas violam as leis sem se importarem com O Próximo, com quem vem depois. Todo o tráfego prejudicado, porque um filho de Deus resolveu não dar importância à placa "Proibido Estacionar". Tem gente que acha que esse tipo de sinalização é "frescura" do governo. Portanto, desnecessária. E decide ignorá-la. Simples assim.

Acontece que, se a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), por exemplo, tomou a decisão de colocar "Proibido Estacionar" perto de uma curva, é porque estudos provaram que um automóvel parado ali impediria outros veículos - sobretudo de grande porte, como um ônibus - de se movimentarem sem se chocarem no meio-fio ou em outro obstáculo. Por que é tão difícil compreender, aceitar e cumprir a lei? Por que alguém, friamente, opta pelo seu interesse egoísta?

16 de maio de 2011

Quando Eu Flor, Quando Tu Flores...

... Quando Todo Mundo Flor. Neste Post despretensioso e um tanto egocêntrico
(com fotos d'A Católica), uma canção, muitas flores e um desejo:
que cada um de nós conjugue - na prática - a alegria de ser leve. Como uma flor.

(Fotografia de Ana Paula~A Católica - acatolica.com)

O Verbo Flor
(canção de Renato Rocha. CD: MPB-4 - Adivinha O Que É)

O verbo flor
É conjugável
Por quase todas
As pessoas
Em certos tempos
Definidos
A saber:

13 de maio de 2011

Fátima: Rainha de Portugal e do mundo

Para mim, o Grande Milagre de Fátima foi a resiliência das três crianças
em enfrentar a descrença e sustentar que sim: Nossa Senhora apareceu.
Uma lição da força que vem da fé - para mim e para você também

(Fotografia de jcapaldi)

The three children of Fatima, Lucia, Francisco and Jacinta (1917) - Autor Desconhecido

Aviso: Antes de mais nada, caro internauta, primeiro, é preciso notificá-lo de que entre os dias 12 e 13 de maio, o Blogger, que hospeda A Católica e tantos outros Blogs, passou por uma manutenção – a qual nos inviabilizou de publicar novos Posts e de receber novos comentários. “Sumiço” esclarecido, este é o Post pelo 13 de maio, dia de Nossa Senhora de Fátima, a Rainha de Portugal.

Antes de retornar ao Catolicismo, eu fazia uma confusão danada na minha cabeça: afinal de contas, quantas Nossas Senhoras existem? Qual devo escolher? A de Fátima, a de Lourdes, a de Guadalupe ou a Aparecida, aqui do Brasil? Depois de algumas leituras, compreendi que Nossa Senhora é uma só. Cristo, como todos nós, teve uma única mãe. O que varia são os títulos com que é chamada. Então... Tanto faz: invocá-la como Nossa Sª Auxiliadora ou Nossa Sª do Carmo deixa-a contente do mesmo jeito!

Entretanto, em maio, ou ao menos no dia 13 desse mês, acredito que devemos nos dirigir a ela como Nossa Senhora de Fátima. Mesmo que a nossa preferência seja outra. Isso, em memória aos acontecimentos estupendos que se deram na propriedade da Cova da Iria, em Fátima (Portugal).

11 de maio de 2011

Às vezes, a gente esquece o exemplo de Cristo

Jesus se dirige à samaritana: rejeitada pelos judeus.
Nós fazemos o mesmo? Ou vivemos um catolicismo acomodado,
que nos afasta, em vez de nos aproximar dos que estão à margem?

Jesus and Samaritan Woman - century XVII - Jacinto de Espinosa

Meses atrás, esta questão me importunava. Daí, simplesmente, me esqueci dela. Acontece que duas leituras trouxeram-na, de novo, de volta a minha mente. É uma questão sem solução - até segunda ordem. Contudo, ela existe. E me tira o sossego. Como uma meia mal colocada que nos atrapalha o andar e nos faz recordar: "Preciso tirar o sapato e arrumar esta meia, senão não vou ter paz o resto do dia!".

Eis a questão: os pobres. Isto mesmo: os pobres, os marginalizados, os excluídos, os desfavorecidos, os miseráveis, os mais sofredores dos sofredores, porque não têm nem mesmo um sofá macio ou uma cama quente onde se recostar para lamentar seus "ais".

Algumas vezes, ao longo da nossa vida e do nosso itinerário de cristãos, contentamo-nos em rezar o Terço Mariano (isso, quando o rezamos), recitar o Pai Nosso e a Ave, Maria, dar o dinheiro ou o dízimo durante o ofertório na Santa Missa ou levar um quilo de arroz ou de feijão à "coleta para as famílias carentes". E só.

Fico cismando se, afora isso, seguimos mesmo, de verdade, os passos do Nosso Messias, o Nosso Salvador, o Nosso Mestre: Jesus Cristo, que fez uma opção evidente e declarada pelos pobres.

Eu me pergunto: "O quem em sua vida, Ana Paula, mostra para si e para os outros que você está no rasto de Jesus?". Porque dizer: "Senhor, Senhor" no conforto da sala de estar, com a TV ligada e um suco de maracujá ou de laranja geladinho na mão, com todas as contas pagas e telefonemas dados... É fácil.

9 de maio de 2011

Pra não dizer que não falei... Das mães

Neste mês de Maio, de Maria, das Noivas e das Mães, tenho um apelo a fazer...
... Mães, ajam como mães. Eduquem. Ensinem pelo menos o básico: bons modos

A Peasant Woman with Her Son (1900), Niko Pirosmanashvili

A Santa Missa no Dia das Mães é sempre muito especial. No final da celebração, o padre da minha paróquia, aqui em Belo Horizonte, chama as mães à frente, a fim de que toda a comunidade possa cantar uma canção pra elas. E, em seguida, o "Parabéns Pra Você". Elas recebem um botão de rosa vermelha, um cartão ou alguma uma outra lembrança. É engraçado. Quando elas sobem ao altar... Os bancos ficam (quase) vazios!

Houve uma diferença neste ano. Depois de lindamente falar sobre o Evangelho deste domingo, Lc 24, 13-35 (passagem que relata o encontro de Jesus Cristo ressuscitado com os dois discípulos de Emaús, que seria um povoado próximo à cidade de Jerusalém), o pároco "deu um toque" nas mães presentes. Incitou-as a não olvidarem de seu papel importantíssimo de educadoras.

Ele contou o caso de uma mãe que se queixou de que, após repreender o filho adolescente, ouviu dele: "Se encostar a mão em mim, eu te denuncio pr'o Conselho Tutelar!". Se você não mora no Brasil e não sabe, esse órgão "tem a função de tomar providências em casos de ameaças ou violação dos direitos da criança e do adolescente" - conforme o portal da PBH.

O sacerdote não defendeu que as crianças sejam beliscadas ou estapeadas, mas que, "com jeitinho", os pais têm o dever de mostrar que são eles que educam os filhos, e não o contrário. No final, mencionou o aborto. E observou que uma mãe que interrompe a gravidez pode ser comparada a alguém que ganha um prêmio acumulado na loteria e que, em vez de receber a importância, rasga o bilhete que foi sorteado. Ser mãe, afirmou, é algo que tem um valor inestimável. É um dom maravilhoso.

6 de maio de 2011

Sim, irmã: eu estou envelhecendo

Uma crônica sobre um medo que muitos têm: o de ficar velho.
Qual a razão disso? Por que há tantos tratamentos para evitar
o inevitável: o passar do tempo? Confira aqui as reflexões d'A Católica

Fotografia de Anne Jimenes

Não era minha intenção escrever este Post. Estava quieta no meu canto, pensando e lidando com assuntos da Igreja. Católica. Teologia, cristianismo, teorias e, principalmente, prática das teorias. Então, um olhar científico, intrusivo e acusador da minha irmã, Andréa Cristina, despertou o meu pasmo. Ela fixou os olhos sobre o alto da minha cabeça, mais exatamente no rumo da testa, e disse (entre incomodada e indignada): "Nossa, quanto fio branco! Você tem que tirar. Tem que pintar o cabelo".

Não estou exagerando, internauta d'A Católica: o olhar atrevido e invasivo da minha irmã e a sua condenação me lembraram o que as pessoas faziam, anos e anos atrás, com as mulheres que saíam à rua com batom vermelho, saia curta e cigarro entre os dedos.

Sim, acredite.

Houve um tempo em que uma mulher com batom vermelho, saia curta e cigarro na mão - não necessariamente as três coisas juntas - merecia os olhares reprovadores de (quase) todo mundo: ela era confundida com uma prostituta. Afinal, a mulher "honesta" não podia se vestir, se comportar nem muito menos aparecer em público assim. Li a respeito disso, quando me empenhei em um dos trabalhos que fiz no meu curso de Comunicação Social-Jornalismo.

Pois hoje em dia, já na segunda década do século XXI, ai da mulher que ousa deixar os cabelos brancos ou as rugas à mostra! Isso, para não falar daquelas que estão (bem) acima do peso. É como se cometessem um crime, um atentado à moral e até à dignidade da espécie humana.

5 de maio de 2011

Com a palavra, Padre Zezinho

Decidi dar voz ao querido sacerdote aqui n'A Católica.
SE a família é a célula onde todo ser humano é formado, natural
que peçamos a benção de Deus para cada uma delas. No BRASIL e no mundo

Graf Ferdinand von Zeppelin und seine Familie (1808-09), Philipp Friedrich von Hetsch


4 de maio de 2011

Blogueiros no Vaticano: algumas notas sobre o encontro

CONFIRA o que foi discutido no Vatican Meeting Blog,
a reunião de blogueiros no Vaticano, que tratou de evangelização
através dos Blogs e da relação entre Igreja e Blogosfera!


Fotografia de Petr Kratochvil

Internauta d'A Católica:

Como muita gente na Blogosfera ou "Efigênia" (o mundo dos Blogs) sabe, nesta semana ocorreu o Vatican Meeting Blog - que pode ser traduzido para algo como: "Encontro vaticano de Blogs". O Pontifício Conselho para a Cultura e o Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais organizaram e promoveram, em nome da Santa Sé, uma reunião com blogueiros de todo o mundo.

Não foi um congresso, e sim apenas algumas horas de "de discussões sobre o papel da Igreja no contexto das novas mídias", conforme a Rádio Vaticano sintetizou. Padre Djalma Lúcio Magalhães Tuniz, scj, um dos seis blogueiros do Brasil escolhidos para integrar o debate, escreveu em um de seus Posts:

Logo no início já ficamos sabendo que este encontro não tinha grandes pretensões, não queria ser um seminário, não queria falar sobre como fazer um blog e muito menos as característica [sic] de um blogueiro católico, mas o objetivo principal era promover um diálogo entre blogs e a Igreja. A Igreja estava pronta para escutar.

Wagner Moura, que estava entre os seis brasileiros selecionados, avaliou: "Não foi uma reunião sobre 'como e o que blogar', nem sequer um evento católico – havia não-católicos na reunião que não teve temática religiosa especificamente, apesar do tratamento à Igreja como fonte de informação. Foi um momento de diálogo cultural, como, aliás, é percebida a internet, seus blogs, suas redes sociais...".

Segundo o site Catholic News Service, Richard Rouse, funcionário do Pontifício Conselho para a Cultura, explicou que a reunião do Vaticano "não foi concebida como um seminário sobre 'como fazer', nem foi destinada a desenvolver um 'código de conduta', mas em vez disso reconhecer o papel dos blogs nas comunicações modernas e iniciar um diálogo entre os blogueiros e o Vaticano".

Os organizadores, de acordo com a agência de notícias internacional Zenit, expuseram assim os objetivos:

Permitir um diálogo entre os blogueiros e representantes da Igreja, compartilhar experiências dos que trabalham diretamente neste campo e compreender melhor as necessidades desta comunidade. Também, apresentar algumas das iniciativas que a Igreja está empreendendo para entrar em contato com o mundo dos novos meios de comunicação, tanto em Roma como em outros lugares.

Cento e cinquenta blogueiros de todo o mundo foram pinçados para o evento, que ocorreu em 2 de maio (um dia após o Papa João Paulo II tornar-se Beato João de Deus, como carinhosamente o chamamos aqui no Brasil), no Auditório São Pio X, na Via da Conciliação, em Roma (Itália). Conforme o site da Arquidiocese de Campinas, entre os escolhidos

Há alguns blogueiros iniciantes e outros famosos; alguns blogs são institucionais, outros pessoais; existem aqueles que contam histórias pessoais e outros que narram fatos e acontecimentos locais e internacionais. Alguns são profissionais e têm um bom financiamento e outros funcionam como um trabalho de voluntariado.

Segundo a agência Zenit, 750 blogueiros inscreveram-se e só não puderam participar in loco, "por falta de espaço". O site da Arquidiocese de Campinas elucidou:

Foi feita uma pré-seleção buscando garantir uma presença diversificada, e, em seguida, uma seleção final por sorteio. Os organizadores pediram que aqueles que não foram escolhidos não se sintam excluídos e esclarecem que ser selecionado não implica qualquer aprovação do conteúdo dos blogs pelo Vaticano, nem o contrário: não ter sido selecionado não significa uma desaprovação.

Como visto, seis blogueiros brasileiros foram selecionados - e não apenas cinco, como muitos divulgaram: Pe. Djalma Lúcio Magalhães Tuniz, scj (inscrição número 119); Wagner Moura (número 149); Jovens Sem Fronteiras (número 67); Vittorio Saraceno (número 148); Rodrigo Gurgel (número 127) e Edmar Araújo (número 32).

Até o final da tarde desta quarta-feira, 4 de maio, três deles blogaram a respeito do encontro - o que me fez supor que apenas três Blogs do Brasil inscritos e escolhidos estiveram representados em Roma. Eis aqueles com Posts sobre o Vatican Meeting Blog: Blogueiro 119 (Djalma Tuniz,scj), do Padre Djalma Tuniz, scj; Vida sim, aborto não!, de Wagner Moura, e Jovens Sem Fronteiras.

2 de maio de 2011

Obama pega Osama

Depois de quase uma década, o criminoso mais procurado no mundo
é encontrado... E morto. A euforia nas ruas nos EUA é compreensível, mas
destoa dos enormes desafios que nos aguardam (a todos) na luta contra o terror

Imagem de J. Howard Miller - Artist employed by Westinghouse,
poster used by the War Production Co-ordinating Committee (1942)

Me lembro bem daquele 11 de setembro de 2001. Eu havia acordado (eram cerca de 9h30 da manhã) e colocado na bandeja de alumínio colorida: pão, broa de fubá, talvez alguns biscoitos recheados e leite com Nescau - ou seria café com leite? Sentei no sofá do quarto de televisão, peguei o controle e liguei a TV. Parei na Rede Globo. A imagem estava "congelada" em um enorme edifício escuro, de onde saía fumaça preta. Atrás, o céu muito claro, quase branco.

Mordi o pão. Tomei o leite. "Que lugar é esse?"; "Por que a Rede Globo está mostrando isso?". Ouvi a voz simpática do excelente jornalista Carlos Nascimento (que atualmente trabalha em outra emissora, o SBT). Ele explicava que aquele edifício, de onde a fumaça preta saía, ficava em Nova York, nos Estados Unidos. Não recordo o que mais ele falou. Segui acompanhando a transmissão. E comendo.

Olhei para a bandeja, a fim de pegar um pedaço de broa. Ou um biscoito. Então, rapidamente, meus olhos se desviaram de novo para a TV, quando ouvi a voz um tanto aflita de Carlos Nascimento: "Outro avião. Olhem lá, outro avião! O que é isso??... Ele está muito baixo! Vai bater no outro prédio, vai bater...".

Foi assim, internauta d'A Católica, que assisti ao vivo ao segundo avião sequestrado por terroristas ligados à rede Al-Qaeda chocar-se contra a segunda das Torres Gêmeas do World Trade Center - até então, os maiores arranha-céus da cidade de Nova York: teriam 110 andares e cerca de 415 metros de altura cada um.

Naquela mesma manhã, um terceiro avião, também tomado por terroristas, atingiu o Pentágono - que abriga o Departamento de Defesa do governo norte-americano -, no Condado de Arlington. No total, conforme o portal de notícias G1, 2.973 pessoas morreram nos ataques naquele dia inesquecível - três delas eram brasileiros. Nos dias que decorreram, um nome seria pronunciado à exaustão: o de Osama Bin Laden.