1 de fevereiro de 2011

Um pouquinho de Poesia... Não faz mal a ninguém

No primeiro dia de 2010, olhei para o céu, vi uma "amiga boa e velha"
dar as caras (ou a face) depois de um tempão... E escrevi uns versinhos pra ela.

Imagem de Luc Viatour

Fotografia de Nikos Koutoulas from Kozani, Greece

Nota: Este poema foi escrito em 1º de janeiro de 2010.

Joia rara

Pela fresta da janela
confundi uma lâmpada
dum prédio vizinho
(numa visão de relance)
com a cara ampla e redonda da lua.

Depois de dias sem vê-la
(não para de chover no Brasil há dias),
é uma alegria rever
essa amiga boa e velha.

A lua está lá:
não serve como o sol
pra aquecer, fazer planta nascer,
bronzear, ler sem eletricidade,
pegar vitamina D, tirar mancha de roupa,
fazer massa crescer...

... Mas, é tão bonita!

Pendurada no manto
infinito e negro
como um enfeite adequado:
com ela a treva ganha humanidade
e a noite, graça.

Ah, lua!...
Tão pequenina diante do sol,
tão pequenina assim -
tão distante de mim.

Um fermento
no bolo da escuridão.
Um alento,
um recreio.

E pensar que, hoje mesmo,
no café da manhã
do primeiro dia de 2010,
falei que deve ser chato visitá-la:
tão cinza, cheia de pó,
um deserto
sem sentido no espaço.

Nessa visão de
relance
(pela janela do quarto)
mudei minha opinião:
você é quente, bela,
valiosa e rara.

Tome este poema
como um beijo terno
na sua face amiga e casta.

Fotografia de Bobby Mikul


~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Um comentário:

  1. Outra face a sua! Como a lua! Grande, bela, minguante cheia de versos! Bonito! Bonito mesmo! A Paz!

    ResponderExcluir