5 de fevereiro de 2011

MAIS + Marisa Monte



Consegui unir trabalho e vocação.
Isso dá sentido à vida,
sendo você músico, médico
ou motorista de caminhão.

(Marisa Monte no DVD
"Infinito ao Meu Redor")

Olhe ela aí de novo no Blog A Católica! Se você é um internauta de outro país, deve saber disto: a Música Popular Brasileira (MPB) é das mais admiradas do mundo e uma das coisas de que mais me orgulho em ser do Brasil. Já ouviu algum ritmo nosso? Bossa Nova? Samba?

Pois uma das mais dignas e melhores intérpretes do nosso cancioneiro nacional é a carioca Marisa Monte, sobre quem já escrevi aqui - para conferir, basta dar uma olhadinha em Quero ser Marisa Monte!! (2 meses de Blog!).

Neste Post específico d'A Católica, divido com você, meu internauta, o que achei do DVD mais recente da artista, Infinito ao Meu Redor - um documentário sobre a sua profissão e a turnê de 18 meses que promoveu os CDs Infinito Particular e Universo ao Meu Redor que ela lançou, ao mesmo tempo, no início de 2006. Boa Leitura!

Durante show no Chevrolet Hall, em Belo Horizonte - Minas Gerais - 2007

(Fotografia de Nany Mata)

Turnê Universo Particular

(Fotografia de Beti Niemeyer - Site Oficial)

Começo confessando que assisti ao filme com lágrimas nos olhos. As canções de Marisa Monte embalaram toda a minha adolescência. E ouvir, de fundo, os acordes de muitas delas ao longo da 1h e 40 minutos do DVD me emocionaram. Não. Nunca me apaixonei nem beijei alguém ao som dela. Suas músicas me trazem lembranças de outra estirpe: de esperanças e sonhos que não se concretizaram. Porém, que foram doces de se sonhar...

Logo na abertura, o documentário traz a voz da artista contando a sua idade, local de nascimento e parte da sua infância. Quando ela relata que anotava letras de canções em cadernos para cantar, pensei logo em mim mesma... Fazendo o mesmo! Seja dos milhares de discos do Papai Tuti (já escrevi aqui no Blog que cresci em uma Casa Musical), seja da coleção de MPB dos meus padrinhos, Suzana e Toninho. E dá-lhe Gilberto Gil (Domingo no Parque, Refazenda...), The Beatles (And I Love Her, Hey Jude...), etc.

O que mais gostei no filme de Marisa Monte é que ela atingiu o seu objetivo: desmistificar a profissão de "músico".

A cantora nos mostra, cena após cena, como o seu trabalho no que ela chama de "indústria da música" se assemelha ao que você e eu fazemos todos os dias da nossa vida. Sim, internauta d'A Católica: a artista glamourosa, com um monte (olhe o trocadinho) de gente a seus pés, só existe na nossa cabeça. O dia a dia de Marisa Monte tem uma rotina puxada e, muitas vezes, entediante como a de outros cidadãos, no Brasil ou no mundo, em outras áreas de atuação.

Como apreciei isso!

Quantos de nós, especialmente os mais jovens, sonham com uma carreira artística, julgando que ela será "mais empolgante" do que a de advogado, bancário, doceira, empresária, secretária, oftalmologista... Pois a cantora carioca foi bem-sucedida em revelar a seu espectador que a vida de artista tem exigências tão estressantes como a de qualquer outra profissão. Ela pontua: "Cantar se desdobra em muito mais do que simplesmente compor e cantar".

Turnê Universo Particular

(Fotografia de Beti Niemeyer - Site Oficial)

Turnê Universo Particular

(Fotografia de Jorge Rosenberg - Site Oficial)

No DVD, Marisa Monte atua como "professora". Ela esclarece o bê-a-bá do seu campo de trabalho: "[Trata-se de] um documentário sobre a atividade profissional de um músico. (...) Queria mostrar como é o trabalho por trás da música. Explicando, no particular, o universo da minha profissão".

Segundo a artista, um músico ganha dinheiro de duas formas: direitos autorais (daquilo que compõe, toca ou interpreta) + shows. Ela destrinça o "caminho das pedras" de sua área. Confira o esquema, resumido pel'A Católica:

Um músico cria uma canção a Grava a música em um estúdio a Desenvolve os "subprodutos": vídeos, textos, etc. a Marca um encontro com a imprensa (a cantora observa: "É um momento onde não existe música. Só existe o verbo". Pelos próximos dois anos, ela vai falar de seu novo trabalho, respondendo às mesmas perguntas dos jornalistas) a Faz uma turnê.

E, aqui, Marisa Monte se explica: "Existem mulheres que compram sapatos. Outras, bolsas de grife. Eu gosto de investir meu dinheiro nos shows. É a minha maior vaidade". A artista justifica a importância que as apresentações ao vivo ganham, à medida que o tempo passa e as vendas dos CDs despencam:

A fábrica de CDs está dando lugar para o arquivo digital. (...) Hoje, é possível ter um estúdio em casa, gravar um disco com pouca grana e distribuir esse trabalho pela Internet. (...) Com o mercado de CDs e o próprio conceito de direito autoral mudando, o show se reafirma como a principal fonte de renda do músico.

A cantora passa a elucidar, tintim por tintim, como nasce, cresce, estreia e ganha a vida Um Show - que ela chama de "circo" no DVD.

Para organizar uma turnê - que é uma série de espetáculos em lugares e cidades diferentes -, são necessárias duas frentes: a) uma banda para excursionar e b) uma equipe para pensar na parte logística e no visual. Para a turnê Universo Particular, Marisa Monte reuniu outros nove músicos. Todos ensaiaram por 2 meses. Nesse período, a parte física também era desenvolvida. "É quando o circo se arma. Sessenta pessoas e algumas toneladas de equipamentos que passam a viver e se deslocar em uma constante operação militar", compara.

Ela observa: "[Mas] o show só fica pronto, quando encontra o público". Assim, em 26 de abril de 2006, Universo Particular - junção dos nomes dos dois CDs que lançou um mês antes, mencionados no início deste Post - estreou em Curitiba, no estado do Paraná, no sul do Brasil. A artista gosta de "afiar" o espetáculo em outras capitais brasileiras antes de ele chegar a São Paulo - a maior cidade do país.

E eis que no 1º show na capital paulista... Deu um branco! Em carne e osso, ao vivo e a cores, diante de uma casa apinhada de fãs e da crítica especializada, a cantora carioca esqueceu a letra da canção Vai Saber?. E para completar a tremenda "saia justa" (que o documentário não esconde), a autora da música, a também excelente cantora gaúcha Adriana Calcanhotto, estava na plateia! Marisa Monte refletiu:

Um erro torna um show marcante. Faz parte do circo, assim como a queda do trapezista.

Turnê Universo Particular

(Fotografia de Beti Niemeyer - Site Oficial)

É então que no filme começa o "suplício" da artista. Não. Já falei do branco. O "suplício" aqui é outro. São os denominados "ossos do ofício", que toda profissão tem. E ao narrar ao espectador os ossos do seu ofício de músico, a cantora me convenceu de vez que, entre ela, um médico ou um motorista de caminhão, há pouca diferença: todos lidam com uma rotina. Conheça a sua, durante uma turnê:

Aeroporto a Carro a Hotel a Check-in (verificação) a Abre mala a Se arruma a Encontro com a imprensa e TV locais (daquela cidade à qual a turnê chegou) a Quarto a Dorme (enquanto a equipe monta som e palco) a DIA SEGUINTE acorda a Come a Faz ginástica a Passagem de som (três horas antes do show: "É um encontro técnico", Marisa Monte explica) a Se apronta e aquece a voz (uma hora antes do show) a Entra em cena a (após o show) recebe convidados a Fala com os fãs que esperaram na saída a Hotel: lancha, toca violão, fala ao telefone, assiste à TV, lê, tricota... a Lava roupa na banheira do quarto a Senta sobre a mala para poder fechá-la ("A sentadinha básica!", como comentou) a Aeroporto a E o circo recomeça...

No espaço de 18 meses, houve 140 shows em 50 cidades de 15 países (incluindo: França, Itália, Estados Unidos, Japão, Austrália, China...) para um público total de 750 mil pessoas. Durante os trajetos de uma localidade à outra, de um país a outro, o DVD escancara o fastio e o desconforto da artista. Como disse linhas acima, isso foi surpreendente para mim: não pensei que cantar... Demandasse tanto!

Para você que não conhece Marisa Monte ou a conhece apenas de nome e nunca adquiriu um CD seu, eis como vejo essa Grande Cantora, filha do Rio de Janeiro. Uma visão que o documentário Infinito ao Meu Redor reforçou. Graças a Deus! Porque é muito chato decepcionar-se com alguém que admiramos, concorda?

Marisa Monte é simples, elementar. Doce. Elegante. Num mundo onde todo mundo quer ser interessante, intrigante e especial, Marisa é... Comum. Ela não cansa. Não me cansa. Por isso, cativa. Dica d'A Católica: deixe-se conquistar por sua voz e sua presença! Ouça (MAIS +) Marisa Monte! Saúde e Paz!!

Durante show no Chevrolet Hall, em Belo Horizonte - Minas Gerais - 2007

(Fotografia de Nany Mata)

Turnê Universo Particular

(Fotografia de Washington Possato - Site Oficial)



Três fotografias de Marisa Monte no início do Post, por Leonardo Avessa - Site Oficial.


~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

3 comentários:

  1. Olá amiga, Salve Maria,

    Seu blog fou agraciado com um troféu...passe lá no meu e traga seu prêmio, que é um reconhecimento de sua luta e missão de levar a boa nova de Jesus e sua Igreja, nunca esqueça toda honra e toda glória são devidas somente a Cristo. Somos instrumentos de sua vontade.
    Um abração e fiquemos com Deus e Maria.

    ResponderExcluir
  2. Ana paula, tudo bem minha querida? Vc anda muito silenciosa. Gosto muitoqdo vc posta ese tipo de assunto. Marisa Monte é um must, mais famosa no exterior do que aqui na terrinha. Além de linda, inteligente possui um timbre vocal muito bom. Parabéns, Ana paula, como sempre, arrasou! Bjbjbj!

    ResponderExcluir
  3. Marisa é um Monte de coisas boas!!! "Sorvete, bala jujuba, mariola...sundae de chocolate!..." Maravilhosa! Beijos para ti! Kátia

    ResponderExcluir