2 de fevereiro de 2011

José e Maria apresentam... Bebê Jesus!

A Católica se propôs a pesquisar e entender qual o sentido desse evento.
Quero dividir com você o que encontrei e aprendi (leia neste Post)!

A Igreja Católica celebra neste 2 de fevereiro a Apresentação do Senhor. A intenção deste Post d'A Católica é destrinçar junto com você o que essa festa significa. Para começo de conversa e (digamos) objetivamente, ela relembra a ocasião em que São José e Nossa Senhora levaram o filho, o ainda pequenino Jesus Cristo, ao Templo de Jerusalém. Como dizia Wilson Simonal: s'imbora? Vamos lá?

Comecemos com a leitura do Evangelho de São Lucas que, conforme a nota da Bíblia de Jerusalém (Paulus, 2002), "centraliza a narrativa do primeiro ato cultual [relativo a culto] de Jesus na Cidade santa, à qual dá grande importância, como lugar do acontecimento pascal e ponto de partida da missão cristã".

Um adendo: a Cidade santa a que se refere a nota é Jerusalém ou "Sião" que, segundo o recomendável livro Guia Visual da História da Bíblia (National Geographic, 2008), "representava um local intocável, o domicílio de Deus". Quanto ao Templo, que ficava na cidade e aonde José e Maria levaram o bebê para ser apresentado, "era um domínio especificado para as práticas do culto sacro".

"Concluídos os dias da sua purificação segundo a Lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para o apresentar ao Senhor, conforme o que está escrito na lei do Senhor: 'Todo primogênito do sexo masculino será consagrado ao Senhor' (Ex 13,2) e para oferecerem o sacrifício prescrito pela lei do Senhor, um par de rolas ou dois pombinhos." (Lc 2, 22-24)

A apresentação do menino Jesus no Templo de Jerusalém,
pintura atribuída a Simon Vouet (1641)

De acordo com Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini em Um Santo para Cada Dia (Paulus, 1996), "a festa de hoje (...) era chamada de Purificação de Nossa Senhora lembrando o cumprimento da lei (...). A reforma litúrgica de 1960, querendo dar o verdadeiro sentido ao acontecimento de origem, que é a oferta de Jesus ao Pai, símbolo do sacrifício da Cruz, deu o nome de Apresentação do Senhor".

A nota da Bíblia de Jerusalém ressalta: "A purificação era imposta só à mãe; mas a criança devia ser resgatada". Sgarbossa e Giovannini continuam: "Quarenta dias após o nascimento, Jesus foi levado ao Templo para se cumprir a lei sobre os primogênitos e sobre a purificação da mãe".

No belíssimo livro Maria dos Evangelhos (Paulinas, 2010), Giovanni Maria Bigotto explica: "O que nasce por primeiro, entre os judeus e em muitas outras civilizações, é chamado primogênito, tenha ou não tenha outros irmãos. Nessas culturas, o título de primogênito tem sobretudo valor social e religioso. Valor social, porque por meio dele continua a linhagem; ele é destinado a tornar-se chefe da família patriarcal".

O autor prossegue: "Entre os judeus, o primogênito tinha sobremodo valor religioso: 'Todo primogênito pertence a Deus' (Ex 13, 2). Tratando-se de Jesus, o Novo Testamento sublinha e enfatiza esse valor religioso, e unicamente esse valor. Maria e José levam o menino ao Templo, para ser oferecido a Deus, porque ele é primogênito (Lc 2, 23). Para Paulo, Jesus é o 'primogênito de toda a criação' (Cl 1, 15)".

A nota da Bíblia de Jerusalém pontua: "Lc [o evangelista] nota cuidadosamente que os pais de Jesus, como os de João [Batista], cumpriam todas as prescrições da Lei. A apresentação da criança no santuário não era prescrita, mas era possível (Nm 18, 15) e devia parecer conveniente às pessoas piedosas (1 Sm 1, 24-28)". Quanto ao "par de rolas ou dois pombinhos", conforme nota da Bíblia: "era a oferenda dos pobres". Os ricos davam cabritos ou cordeiros (se não me falha a memória).

"Ora, havia em Jerusalém um homem chamado Simeão. Este homem, justo e piedoso, esperava a consolação de Israel, e o Espírito Santo estava nele. Fora-lhe revelado pelo Espírito Santo que não morreria sem primeiro ver o Cristo do Senhor. Impelido pelo Espírito Santo, foi ao templo. E tendo os pais apresentado o menino Jesus, para cumprirem a respeito dele os preceitos da lei, tomou-o em seus braços e louvou a Deus nestes termos:

'Agora, Senhor, deixai o vosso servo ir em paz, segundo a vossa palavra. Porque os meus olhos viram a vossa salvação que preparastes diante de todos os povos, como luz para iluminar as nações, e para a glória de vosso povo de Israel'.

Seu pai e sua mãe estavam admirados das coisas que dele se diziam. Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua mãe: 'Eis que este menino está destinado a ser uma causa de queda e de soerguimento para muitos homens em Israel, e a ser um sinal que provocará contradições, a fim de serem revelados os pensamentos de muitos corações. E uma espada transpassará a tua alma'." (Lc 2, 25-35)

Presentation in the Temple (1644), Sébastien Bourdon

Numa de suas palestras magistrais, o saudoso Padre Léo chamava a nossa atenção: "É preciso ser como Simeão e ter os olhos treinados para ver o milagre! Naquele dia da apresentação, o Templo de Jerusalém estava lotado. Um alvoroço só. Havia inúmeras crianças ali. Ainda assim, Simeão conseguiu reconhecer, no meio de todas elas, Jesus. E só ele foi capaz disso". Devo acrescentar: Simeão e a minha xará, Ana - de quem falarei mais à frente.

O profeta descreveu o menino como "um sinal que provocará contradições". Segundo a nota da Bíblia de Jerusalém: "Para Jesus, a missão de ser luz no mundo pagão será acompanhada de hostilidade e perseguições por parte de seu próprio povo (...)". Por contradição, entende-se que, através dela, "os corações deverão revelar-se pró ou contra Jesus".

Quanto à "espada", que transpassará a alma de Nossa Senhora, Sgarbossa e Giovannini elucidam: "Maria, por causa da sua íntima união com a pessoa de Cristo, foi associada ao sacrifício do Filho". Sacrifício do Cordeiro de Deus (Jo 1, 26) que, como sabemos, consumou-se na Cruz. Para nos salvar.

The prophetess Anna (1631), Rembrandt
Internauta d'A Católica: como lhe disse acima, naquele dia no Templo não foi só Simeão que reconheceu e exaltou o Cristo do Senhor - então com pouco mais de um mês de vida. A profetisa Ana "também entoou uma canção de louvor a Jesus como Salvador de Israel" (Guia Visual da História da Bíblia).

"Havia também uma profetisa chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser; era de idade avançada. Depois de ter vivido sete anos com seu marido desde a sua virgindade, ficara viúva, e agora com oitenta e quatro anos não se apartava do templo, servindo a Deus noite e dia em jejuns e orações.

Chegando ela à mesma hora, louvava a Deus e falava de Jesus a todos aqueles que em Jerusalém esperavam a libertação. Após terem observado tudo segundo a lei do Senhor, voltaram para a Galileia, à sua cidade de Nazaré." (Lc 2, 36-39)

De tudo o que foi trazido neste Post, esta é a mensagem que devemos, você e eu, guardar no nosso coração, a mesma que Simeão proclamou na Apresentação do Senhor, que recordamos e celebramos hoje: "Meus olhos viram a Tua Salvação que preparaste diante de todos os povos, como luz para iluminar as Nações".

Repercutindo as palavras de Padre Léo, que nos instiga a treinarmos os olhos para ver e identificar os milagres a nosso redor, convido-o a rezar comigo. Vamos juntos? Fique no Amor de Deus. Saúde e Paz!!

Da conversão do coração
(Os Cinco Minutos dos Santos, Editora Ave-Maria)

Deus, nosso Pai, fazei novas as antigas coisas.
Convertei-nos hoje e varrei de nosso íntimo
as coisas envelhecidas, os recalques e as frustrações do passado.

Clareai nosso íntimo para que possamos,
com a Vossa ajuda, resolver o que ficou mal resolvido.

Fazei-nos olhar as coisas e as pessoas,
com espanto e admiração,
como se fosse o olhar primeiro do princípio da criação.

Libertai-nos do farisaísmo, da maquinação e do mal.

Sejamos lúcidos ao pensar; corretos ao agir, agradecidos ao viver.
Sejamos abertos no acolher e solícitos no escutar;
tardos em condenar e educados e cordiais no falar;
prontos em valorizar e generosos em ajudar;
pródigos no respeito e libertos no amor.
Não rotulemos as pessoas segundo nossos preconceitos,
credos ou ideologias.

A dignidade dos filhos de Deus consiste em não
ser escravo de nada e de ninguém e
somente a Vós render graças.


Imagem no início do Post:
Presentation of Jesus at the Temple - século 12 - Autor Desconhecido


~Ana Paula~A Católica

Um comentário:

  1. Parece aula do Professor Felipe Aquino! Que profundo e rico, Ana Paula! Gostei tbém da imagem primeira, Foge da pintura bonitinha. Vc é muito corajosa! Admiro muito seus posts pesquisados com esmero e primor! Empenhe-se em divulgar mais seu blog! Posso tbém?

    ResponderExcluir